PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Teste do coraçãozinho
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Teste do coraçãozinho

Teste do coraçãozinho

13/06/2013
  987   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Os médicos precisam criar o hábito de realizar esse procedimento em recém-nascidos

 Teste do coraçãozinho

Os Departamentos Científicos de Cardiologia e Neonatologia da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) redigiram um consenso técnico para a realização da oximetria de pulso, também conhecida como teste do coraçãozinho. É um procedimento muito simples, indolor e capaz de diagnosticar cardiopatias congênitas críticas em recém-nascidos.

Aproximadamente, oito entre mil nascidos têm problemas cardíacos congênitos. Dois casos são vistos como graves e que precisam ser reconhecidos o mais rapidamente possível. Tudo porque o recém-nascido pode vir a falecer caso não seja diagnosticado e tratado precocemente.

Várias doenças podem passar despercebidas no exame da maternidade e elas costumam ser detectadas se ocorrer uma busca maior. Muitas vezes, a criança nasce, aparentemente, com normalidade, mas, no final da primeira semana ou do primeiro mês de vida, desenvolve um quadro de choque e/ou de hipóxia (falta de oxigênio) e não há tempo hábil para o atendimento. Auscultar o bebê pode não ser o bastante. Sabemos que de 30 a 40% dos que têm problemas cardíacos graves recebem alta das maternidades sem o diagnóstico. Temos que descobri-los no berçário e o primeiro passo, sem dúvida, é a oximetria.

A oximetria não substitui outros exames. Esta prevenção deveria começar no pré-natal com o Ecocardiograma fetal, feito com 20 semanas, com atenção para problemas cardíacos. Porém, há as interferências de custo, de dificuldades, além da falta de hábito dos médicos em pedir esse exame, o que justifica a dificuldade de aplicá-lo em todos os pacientes, pelo menos nos de risco.

Para evitar que as crianças com problemas cardíacos graves deixem o hospital sem um diagnóstico, o teste do coraçãozinho é apontado como uma alternativa. No teste, um sensor é aplicado na pele do paciente (procedimento indolor) para aferir a oxigenação dos membros superiores e inferiores. “Se registrarmos uma medida de oximetria menor que 95% em qualquer membro ou uma diferença de três pontos percentuais entre os membros superiores e inferiores, devemos suspeitar de uma cardiopatia crítica”. Em caso de suspeita, um ecocardiograma deve ser solicitado.

O teste do coraçãozinho deve ser realizado depois de 24 a 48 horas após o nascimento. Ele já é obrigatório em alguns estados, sendo Mato Grosso do Sul o pioneiro, mas não há ainda uma legislação federal. Na Câmara dos Deputados tramita o projeto de lei (PL) 484/2011, de autoria do senador Eduardo Azeredo, que altera o Estatuto da Criança e do Adolescente, o que inclui vários testes de triagem neonatal, dentre os quais estão o da oximetria de pulso.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Sociedade Brasileira de Pediatria

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade