PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
A transição para o cuidado criança/adulto
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
A transição para o cuidado criança/adulto

A transição para o cuidado criança/adulto

03/10/2017
  869   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Um dos problemas discutido há muito tempo em hospitais pediátricos, principalmente os ligados às faculdades de medicina, é como fazer a transição do atendimento pediátrico para a equipe adulta.

Passei por isso profissionalmente como pediatra na hora de encaminhar meus pacientes adolescentes/adulto jovem para um clínico geral. Lembro particularmente de um caso onde o meu paciente estacionou o carro na clínica para solicitar um atestado médico para fazer esporte na Faculdade.

A Academia Americana de Pediatria atualizou sua declaração de política anterior sobre o limite de idade da pediatria para refletir novas abordagens sobre a transição para o cuidado do adulto. Nela, se recomenda que a idade de transição para jovens adultos de cuidados pediátricos a adultos seja baseada nas necessidades individuais dos pacientes.

A decisão deve ser feita unicamente entre o paciente (e a família, quando apropriado) e o médico e considerar as necessidades físicas e psicossociais do paciente e as habilidades do provedor pediátrico para atender a essas necessidades.

Além disso, a AAP recomenda que o estabelecimento de limites arbitrários de idade em cuidados pediátricos pelos profissionais de saúde seja desencorajado e que as seguradoras de cuidados de saúde e outros pagadores não estabeleçam limites que afetem a escolha do prestador de cuidados do paciente com base apenas na idade.

Geralmente os problemas maiores se dão com pacientes de doenças crônicas que são muitas vezes acompanhados por uma equipe desde o nascimento ou de uma idade muito jovem. Também é sabido que a atenção do pediatra e da equipe de saúde pediátrica é muito mais atenciosa e com uma visão holística do paciente e da família, o que faz com que essa adaptação seja mais difícil.

No próprio Hospital Sabará, recebemos muitos pedidos para internação de adultos jovens com problemas de rebaixamento intelectual ou neuropatias. É um desafio da medicina moderna que consegue a sobrevida de muitas crianças que antigamente morriam.

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Pediatrics – Pediatrics September 2017

From the AAP Policy Statement

Age Limit of Pediatrics

Amy Peykoff Hardin, Jesse M. Hackell,

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade