PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
UM SOPRO NA FERIDA PARA AFUGENTAR A DOR
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
UM SOPRO NA FERIDA PARA AFUGENTAR A DOR

UM SOPRO NA FERIDA PARA AFUGENTAR A DOR

07/09/2016
  1493   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Ao longo destes quase quatro anos de atuação do Pronto Sorrir no Hospital Infantil Sabará fico me perguntando sempre como medir em palavras o impacto de nosso trabalho na vida da criança internada e seus acompanhantes. Tento compreender os motivos para tanta satisfação que todos nós do Pronto Sorrir sentimos ao trabalhar com estas famílias e o aprendizado genuíno que o contato com estas crianças nos proporciona.

O hospital é um lugar muito delicado, onde a palavra “doença” pousa por todos os cômodos. Por mais simples que seja o problema, ninguém vai ao hospital para passear. É um local de concentração, de cuidado, de trabalho coletivo, onde toda a equipe clínica está lá empenhada em “curar” o que precisa ser curado. O desejo pela cura circula por todos os corredores. E neste contexto que me pergunto: qual o lugar do artista num ambiente como este? Chegamos ao hospital vestidos de super heróis, de fadas, personagens aventureiros, mas a verdade é que não temos super poderes, não possuímos injeções mágicas, nem varinhas curandeiras. Nossa formação não nos dá ferramentas para saber curar uma infecção, uma alergia, um câncer. A potencia de nosso trabalho está na nossa presença, no nosso compromisso com o brincar, no nosso desejo e ímpeto de estar ao lado da criança, seja qual for sua circunstância.

E vivendo sobre a lógica desta realidade da presença e do engajamento pelo bem estar do próximo por tantos anos, começo a acreditar nas coisas invisíveis. Começo a perceber a magia que existe no gesto atento e carinhoso que oferecemos ao outro.

Volto a infância e recordo das tantas quedas que já tivemos e dos arranhões nos joelhos, nos cotovelos, no corpo todo. Lembro da dor de cada machucado e então me recordo dos sopros e beijos mágicos que muitas mães, pais, avós, tios dedicam a cada ferida de cada ente querido. Estes sopros e beijos são mágicos de verdade, porque de alguma forma  sempre aliviam a nossa dor.  Dentro de cada gesto de carinho de uma mãe (ou de qualquer outra pessoa), de cada sopro mágico, de cada beijo de fada, de cada olhar atento, esta pessoa legitima a dor que a criança sente. Ela mostra que se importa. Assim, o seu sopro na ferida da criança pode não tirar a dor real do machucado, mas é capaz de tirar a dor impressa na alma da criança. Pois esta dor projetada na alma da criança o beijo cura, ou ao menos pode aliviar.

Sinto que o trabalho que o Pronto Sorrir exerce no Hospital Infantil Sabará tem a ver com este “sopro na ferida para afugentar a dor”. E é por meio da brincadeira e do “escolher acreditar”, que a criança escolhe crer que um sopro é capaz de aliviar sua dor. A brincadeira abre espaços para que possamos interpretar nossa experiência no hospital e na vida de forma mais ampla e fantástica.

O brincar é algo inato na vida de cada ser humano, e a criança conhece o brincar melhor que todos nós. Ela vive para o brincar. E quando brincamos experimentamos situações de vida, treinamos para realidade. Imitamos. Elaboramos nossas angústias, nossas dúvidas, nossos conflitos. Por vezes, somos obrigados a passar por momentos muito difíceis, que nos trazem muita raiva, e  a brincadeira aparece como uma oportunidade de lidar com nosso ódio de uma forma que não estejamos destruídos depois. Estamos raivosos e pelo pacto da brincadeira nos transformamos em monstros terríveis, quebramos carrinhos, rasgamos papeis… mas ao fim de toda esta experiência intensa, não nos vemos quebrados ao meio, não destruímos aqueles que amamos. Brincamos de ter raiva, brincamos de ser bravos, e tudo se alivia pelo próprio mundo lúdico da fantasia.

No brincar também compreendemos o sentido de efemeridade. A brincadeira aparece, se realiza e num instante se completa, vira outra coisa. Quando brincamos entendemos que as coisas vem e vão embora. E assim, a brincadeira pode também nos ensinar que uma situação dura de dor, que poderia se tornar permanente na alma da criança, pode também vir, acontecer e desaparecer como cada brincar que experienciamos. A brincadeira pode ajudar a evitar que uma dor tão constante possa se tornar permanente. Ela pode nos ensinar que a dor pode também ser efêmera.

Trabalhar brincando num ambiente com tanta adversidade como em um hospital, onde as coisas estão a flor da pele, é um privilégio para nós do Pronto Sorrir. Adultos atrapalhados que somos, encontramos na nossa frente a criança: presente, inteira, cheia de ludicidade, capaz de nos inspirar a redescobrir nossa criança, resgatar a riqueza de nossa infância, de nossa própria ludicidade. A cada encontro com uma criança um aprendizado, uma riqueza, uma ferida soprada mutuamente.

 

Helena Miguel

(Coordenadora do Pronto Sorrir)

Helena Miguel

Helena Miguel

Helena Miguel é atriz, palhaça e arte educadora formada na Escola de Arte Dramática da USP e em Licenciatura em Artes Teatro pela UNESP. Fundadora e coordenadora do Pronto Sorrir, onde é conhecida como a fada Sininho, quer dizer, Sinão!

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade