PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Falando com o seu filho sobre a guerra na Ucrânia
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Falando com o seu filho sobre a guerra na Ucrânia

Falando com o seu filho sobre a guerra na Ucrânia

31/03/2022
  193   
  1
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

A guerra na Ucrânia é angustiante para todos nós, principalmente quando parecia que a pandemia estava acabando e que teríamos uma vida normal. Crianças e adolescentes estão se perguntando o que aconteceu e o que pode acontecer a seguir. Como os adultos, eles são mais capazes de lidar com notícias e imagens perturbadoras quando entendem mais sobre a situação. Aqui estão algumas sugestões para ajudá-lo a apoiar seu filho de uma forma construtiva e útil:

1. Pergunte o que seu filho já ouviu

Comece perguntando ao seu filho o que ele já sabe. Certamente, as crianças ouviram sobre a guerra na Ucrânia e seu impacto regional e global. Essas informações podem vir da TV, da internet, das redes sociais, da escola, dos amigos ou de comentários indiretos entre adultos. No entanto, muitas de suas informações podem não ser precisas.

Enquanto as crianças explicam o que sabem sobre a situação, preste atenção em mal-entendidos ou rumores assustadores. Reconheça a confusão. Explique tudo o que está acontecendo, as notícias podem mudar rapidamente ou fornecer pontos de vista conflitantes.

2. Responda com confiança honesta e não desconsidere os medos

Os adultos estão preocupados com muitos aspectos da crise, como a segurança e o bem-estar dos civis na Ucrânia. Eles se preocupam se a Rússia pode usar armas nucleares ou até mesmo atacar outros países. Eles também têm preocupações mais amplas sobre o impacto financeiro que a guerra pode ter aqui e o estresse que pode criar para as famílias. Afinal, a gasolina já subiu muito e as contas da família podem ficar mais apertadas.

As crianças podem ter algumas dessas mesmas preocupações, quanto mais velha a criança é. Por isso, mais discussão ela pode precisar para responder às suas perguntas e abordar suas preocupações. Comece fornecendo as informações básicas em termos simples e diretos. Por exemplo: explique onde é a guerra e como ela provavelmente afetará a família. Em seguida, pergunte se eles têm alguma dúvida.

Saliente que as pessoas no Brasil e em outros lugares do mundo estão tomando medidas ativas para tentar melhorar a situação dos cidadãos ucranianos e manter todos nós seguros. Muitas vezes, as crianças procuram garantias de que estão seguras após esses lembretes gráficos de violência e conflito.

3. Evite a exposição a imagens gráficas e cobertura repetitiva da mídia

É útil que as crianças saibam o suficiente para sentir que entendem o que aconteceu. Mas a exposição a imagens como fotos e vídeos, grandes quantidades de informação ou cobertura de mídia contínua e repetitiva não é uma boa coisa.

Entrevistas com pessoas feridas na guerra ou com as famílias e amigos daqueles que morreram, mesmo que não mostrem nenhuma violência ou destruição gráfica, também podem ser muito perturbadoras. Limite a quantidade de exposição à cobertura da mídia e discussão nas mídias sociais.

4. Reconhecer que algumas crianças podem estar em maior risco de angústia

Crianças e adolescentes entendem e reagem a eventos angustiantes de maneira diferente com base em sua idade de desenvolvimento e experiências pessoais únicas. Por exemplo: crianças que vivem em comunidades com altos índices de violência podem ficar mais preocupadas com a sua própria segurança física. Aqueles que fazem parte de comunidades que sofreram preconceito e discriminação raciais podem sentir um aumento de angústia e raiva ao ouvir sobre atos de agressão e preconceito na Ucrânia.

Crianças que passaram por situações de pobreza ou insegurança alimentar podem se sentir ansiosas ao ouvir histórias de famílias com alimentos ou dinheiro limitados para outras necessidades básicas. As crianças que tiveram problemas gerais de ansiedade ou depressão antes da guerra também devem se beneficiar de apoio adicional neste momento.

6. Forneça respostas ponderadas a perguntas comuns

É provável que crianças e adolescentes façam uma série de perguntas comuns em tempos de crise e agitação. Escolha respostas que forneçam informações honestas e segurança útil. Alguns exemplos:

Eu poderia ter feito alguma coisa para evitar isso?

Muitos de nós estão se perguntando se o nosso país poderia ter feito mais para evitar que a guerra acontecesse. Embora pareça óbvio para os adultos que não há nada que as crianças possam ter feito para evitá-la, as crianças podem se sentir impotentes e desejarem poder ter mudado o que aconteceu. Garanta às crianças que o nosso país está fazendo todo o possível para responder de forma eficaz, nos manter seguros e acabar com a guerra.

De quem é a culpa?

É natural envolver-se em pensamentos de culpa. De certa forma, culpar é uma maneira pela qual sentimos que podemos recuperar o controle de sentimentos desconfortáveis ​​e diminuir a sensação de risco pessoal.

Ações podem se concentrar em pessoas que são fáceis de identificar como culpados e devemos lembrar que nem todos os cidadãos da Rússia são responsáveis ​​pelas ações do governo russo, não devem ser responsabilizadas pela guerra, mas podem ficar assustadas ao se sentirem acusadas injustamente ou se preocuparem em serem alvos.

Isso vai mudar minha vida?

Quando há uma crise, eles podem ficar ainda mais preocupados com o que os afeta pessoalmente e podem agir de forma imatura. Às vezes, os adultos veem isso como egoísta ou indiferente. Espere que as crianças pensem mais sobre si mesmas por enquanto. Uma vez que se sintam seguros de que estão sendo ouvidos e de que suas necessidades serão atendidas, é mais provável que comecem a pensar nas necessidades dos outros.

Posso ajudar?

Quando as crianças começam a se sentir seguras e entendem o que está acontecendo, muitas vão querer ajudar. Elas podem começar cuidando de si mesmas e oferecendo ajuda a outros membros de sua comunidade. Elas podem ainda pensar em como elas, juntas, podem fazer algo útil para as vítimas e sobreviventes da guerra.

7. Não se preocupe com a coisa perfeita a dizer

Muitas vezes, o que as crianças e os adolescentes mais precisam é ter alguém em quem confiam para ouvir suas perguntas, aceitar seus sentimentos e estar lá para eles. Não se preocupe em saber a coisa perfeita a dizer. Ouça seus pensamentos e preocupações. Responda suas perguntas com respostas simples, diretas e honestas.

8. Busque mais apoio quando seu filho precisar

Quando uma guerra resulta nessa quantidade de mortes e destruição, é natural ficar chateado. No entanto, se as crianças continuarem muito chateadas por vários dias, parecerem incapazes de lidar com seus medos ou estiverem tendo problemas na escola, em casa ou com seus amigos, é uma boa ideia conversar com alguém de fora da família para obter conselhos. A guerra pode ter desencadeado outras experiências angustiantes e preocupações.

Você pode conversar com seu pediatra, um professor ou profissional de saúde mental ou até mesmo um membro do clero para obter conselhos. Lembre-se de que você não precisa esperar até achar que eles precisam de aconselhamento. Tente tirar proveito do aconselhamento e do apoio sempre que achar que será útil.

Fonte: Adaptado de “Talking to Children and Teens About the War in Ukraine” – Orientação para pais, cuidadores e outros adultos atenciosos. Centro Nacional para Crise Escolar e Luto (NCSCB) do Hospital Infantil de Los Angeles.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • Zuleid Dantas Linhares Mattar disse:

    Excelente essa postagem.
    Precisamos acolher as nossas crianças em suas angústias e medos, mostrando empatia com os seus sentimentos e nos despindo da capa de super heróis e nos colocando como seres humanos também assustados mas empenhados em construir um mundo melhor.

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.