PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Fome na primeira infância
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Fome na primeira infância

Fome na primeira infância

22/07/2021
  158   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

A saída do Brasil do Mapa da Fome da Organização das Nações Unidas (ONU) em 2014 foi um marco mundialmente reconhecido no caminho à promoção do direito humano à alimentação adequada e saudável. A Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Penssan) aponta que a insegurança alimentar grave – ou seja, a fome – atinge 9% da população. Os resultados evidenciam que, em 2020, a insegurança alimentar e a fome no Brasil retornaram aos patamares próximos aos de 2004.

Crianças e adolescentes respondiam, em 2019, por 40,3% de todos os pobres brasileiros. Ao todo, eram 20,8 milhões de pessoas que enfrentavam, no início de suas vidas, restrições que comprometem as oportunidades para o futuro. Estudo exclusivo do Instituto Mobilidade e Desenvolvimento Social (IMDS) calcula que são necessários R$ 49,8 bilhões por ano. Quando se considera a pobreza por linhas regionalizadas (que refletem diferenças no custo de vida local), o número de crianças e adolescentes é menor (15,8 milhões) e também é inferior a parcela do total de pobres (31,2%). Por esse cálculo, o montante estimado em transferências de renda para eliminar a pobreza infantil é de R$ 28,2 bilhões por ano.

O levantamento utiliza os dados mais recentes disponíveis da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua anual, relativos a 2019. Mas o cenário de pobreza infantil deve ser pior quando as informações relativas ao ano passado saírem em outubro. Isto como consequência da pandemia e do aumento do desemprego, apontam os especialistas.

O cálculo para a erradicação de pobreza infantil do IMDS estima o valor que seria necessário em transferências de renda para garantir que as famílias às quais essas crianças e adolescentes pertencem deixem a chamada linha da pobreza. Na linha nacional, são usados critérios do Banco Mundial, que correspondiam, em 2019, a cerca de R$ 436 por mês per capita.

Em São Paulo, o Estado mais rico do Brasil por exemplo, reúne 12,6% das crianças e jovens pobres do país, embora a incidência seja de 25,4%, ou seja, pouco mais de 2 a cada 10 crianças que moram no Estado são pobres. Já o Maranhão tem 7,2% das crianças pobres do país, mas quase sete a cada dez crianças e jovens do Maranhão são pobres (69%), o pior desempenho em todo o país.

O que podemos esperar destas crianças e destes jovens? Como pediatra me preocupa principalmente a insegurança alimentar na primeira infância, quando sabemos que a falta de proteína e calorias vão afetar não só o crescimento, mas todo o desenvolvimento cerebral desta criança de maneira permanente, e ela não poderá se recuperar este atraso ou déficit para o resto da vida. Estamos criando uma geração, ou pelo menos alguns anos de crianças, com a inteligência seriamente afetada pela fome e pela desnutrição.

Ações de distribuição de cestas básicas para populações vulneráveis como as proporcionadas pelo Gerando Falcões do Edu Lyra, da CUFA do Celso Atayde entre outras, certamente amenizam o problema. Auxilio emergencial e outras ações do governo também servem de alívio, mas só com políticas públicas para diminuir a desigualdade de maneira estrutural em conjunto com uma boa Educação infantil, uma Assistência Social que possa levar este nome e uma Saúde que se preocupe em olhar a criança de maneira holística nas dimensões bio-psico-social, com saneamento básico e segurança para todos.

Quando tudo isso acontecer, aí sim estaremos não só cumprindo o ECA, como realizando nosso papel de pensar no Brasil do futuro, que está encarnado nas nossas crianças e adolescentes.

Saiba mais:

 

 

 

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade