PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Dia do Psicólogo: a importância do trabalho de um psicólogo na primeira infância
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Dia do Psicólogo: a importância do trabalho de um psicólogo na primeira infância

Dia do Psicólogo: a importância do trabalho de um psicólogo na primeira infância

27/08/2021
  740   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Durante a vida do sujeito humano diversas etapas são necessárias para o desenvolvimento saudável, como a maturação cognitiva, física e emocional. Suas capacidades vão se aprimorando de acordo com as oportunidades de aprendizado propostas.

A primeira infância é um período de abertura avantajada para a aquisição de novas habilidades e o desenvolvimento de aptidões e competências inéditas. Nesse período de zero a seis anos os circuitos cerebrais estão se desenvolvendo e criando capacidades que serão a base para o aperfeiçoamento de habilidades futuras mais complexas.

O espaço onde a criança está inserida tem grande influência na maneira como ela se desenvolve, podendo proporcionar aprendizado ou falta de progresso. O ambiente saudável é aquele que possibilita a criança alcançar vivências pertinentes a cada etapa do seu desenvolvimento.

No entanto podem haver algumas dificuldades ao longo do crescimento, e o psicólogo infantil pode trazer estratégias e alternativas para o aperfeiçoamento do desenvolvimento infantil e relações familiares.

Essas dificuldades podem estar relacionadas a comportamento atípicos, como o excesso de timidez, falta de atenção, intensa agitação, choro excessivo, demorar para falar ou andar, ter dificuldade para aprender as disciplinas escolares, comportamento agressivo consigo e com outras crianças, urinar na cama, automutilação, demonstrar muita carência e querer ficar constantemente perto dos pais, dificuldade para se relacionar entre outros e rejeitar uma pessoa específica.

Nesses casos é realizado uma avaliação psicóloga com o intuito que fazer um levantamento da queixa através de instrumentos previamente validados e assim compreender quais os gatilhos e motivações que levam a tal conduta.

Posteriormente, inicia-se um processo de intervenção através de sessões lúdicas que trazem o encolhimento e posterior ocultação dos sintomas psíquicos negativos. Durante o processo terapêutico, a família é chamada para reorganizar suas condutas e hábitos domiciliares. Isso porque o sintoma psíquico na infância é muitas vezes o reflexo da estrutura familiar.

O psicólogo também presta suporte aos professores, orientando sobre a melhor conduta de aprendizado em relação a aquela criança em específico. No âmbito escolar, trabalha com a compreensão da origem dos problemas escolares e a partir dessa análise delineia estratégias educativas em conjunto com os professores e coordenação.

O trabalho do psicólogo é também relevante no desenvolvimento de padrões de enfrentamento. A terapia na infância auxilia nas percepções dos sentimentos e a saber como lidar com eles, é levantado alternativas de como enfrentar as inseguranças, medos, ansiedades, carência entre outros.

Por meio da brincadeira a criança demonstra para o psicólogo suas memórias e experiências anteriores. A criança projeta nos brinquedos e em sua maneira de brincar suas fantasias e interesses, influenciados pela sua relação com seus pais. Em suma, a criança representa no seu brincar o mundo que conhece. E também através do brincar o psicólogo faz sua intervenção encorar a expressão da criança sobre o que sente, eleva a autoestima, facilita a compreensão dos próprios sentimentos e desenvolve a habilidade de lidar com frustrações.

Portanto o psicólogo tem uma atuação de acompanhar o desenvolvimento e propor intervenções terapêuticas quando necessário. Trabalha e vê a criança com uma visão integrativa entre a família, a escola e o psiquismo infantil.

 

Yasmine Martins

Yasmine Martins

Psicóloga formada pelo Centro Universitário São Camilo e mestre em Ciências da Saúde com ênfase em Psicologia Infantil. Possui pós-graduação em Neuropsicologia pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. É coordenadora da pesquisa PRONAS Eye-tracking e assessora científica do Autismo e Realidade do Instituto PENSI.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.