PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
A marcha e a criança
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
A marcha e a criança

A marcha e a criança

31/03/2015
  8744   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

marcha

Que criança nunca brincou de “marcha soldado” ao menos uma vez na sua vida? Que não foi policial, bombeiro e soldado? Que não fez chapéu de jornal e marchou feliz? Certamente a marcha faz parte de nossas brincadeiras infantis e é essencial para o desenvolvimento motor. Mas, o que é exatamente a marcha? Por que ela é tão importante?

A marcha é um sequencia repetitiva de movimentos de membros inferiores (pernas) que move o corpo para frente enquanto, simultaneamente, mantém a estabilidade no apoio. Na marcha, um membro atua como um suporte que gera o movimento, sempre em contato com o solo, enquanto o outro avança no ar. Os movimentos são cíclicos e esses membros vão alternando suas ações a cada passo.

O desenvolvimento motor normal da criança é totalmente perceptível. A aquisição da marcha decorre da evolução das várias etapas desde seu nascimento: rolar, sentar com e sem apoio, arrastar, engatinhar, permanecer em pé, andar com e sem apoio até que a criança adquira a habilidade íntegra de caminhar de forma bipedal, isto é, locomoção sobre dois pés. O início da marcha independente é considerado normal, segundo especialistas, até a idade de 18 meses.

O ciclo da marcha é dividido em duas fases, conhecidas como: fase de apoio e fase de balanço. No início a criança mantém suas pernas mais afastadas para aumentar o equilíbrio, assim como os joelhos e quadris levemente flexionados. Os braços geralmente ficam abertos à frente do corpo. Para que a criança desenvolva o andar e possa fazer uma marcha perfeita faz-se necessário ganhar confiança. Até que o movimento esteja automatizado e confiante para a criança ela costuma “correr”, como dizem muitos pais, mas na verdade é porque a criança acelera o movimento aéreo para evitar o desequilíbrio. Entre as idades de 1 e 3 anos, essa marcha, portanto, possui mais passos por minuto do que a executada por uma criança de 5 anos, por exemplo. Esse ritmo vai diminuindo com o processo de maturação do sistema nervoso central, permitindo uma maior coordenação dos movimentos. Aos poucos a marcha vai ficando mais específica e refinada. Exige da criança uma integração entre membros superiores e inferiores, entre os lados direito e esquerdo, entre o frente e trás, entre o “em cima” e “em baixo”.

É normal que qualquer alteração na marcha das crianças seja um motivo de preocupação constante para os pais. O correto conhecimento do padrão de marcha normal permite o diagnóstico e tratamento precoce de qualquer patologia que possa prejudicar ou dificultar a marcha da criança. Por isso a análise de um ortopedista é de suma importância para o correto acompanhamento e detecção de possíveis patologias. É válido lembrar que o desenvolvimento da criança é pessoal, único e intransferível. Não é necessário acelerar, mas sim, estimular de maneira correta e divertida.

 maria helena

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade