PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Ácido fólico previne a malformação congênita
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Ácido fólico previne a malformação congênita

Ácido fólico previne a malformação congênita

25/01/2012
  703   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

O uso do ácido fólico no começo da gravidez reduz o risco de doenças como anencefalia

Em tempos de mães que engravidam mais velhas e com uma crescente preocupação com malformação congênita, um artigo publicado no Jornal Europeu de Pediatria, fez-me lembrar medidas simples que podem ser tomadas para evitar o defeito de sistema nervoso central mais comum, ou seja, defeito do tubo neural como meningomielocele (fechamento da coluna vertebral) espinha bífida (fechamento incompleto da coluna vertebral) e anencefalia (caracterizada pela ausência parcial do cérebro e cobertura craniana). A anencefalia, em sua maioria, é fatal no nascimento ou nos primeiros dias de vida, enquanto a espinha bífida pode ter uma sobrevida muito grande mas com um custo social, emocional e econômico maiores.

Defeitos do Tubo Neural (DTN) são o segundo grupo mais comum de defeitos congênitos graves e, em geral, ocorre por volta do 28º dia de gestação, portanto antes de muitas mães saberem que estão grávidas. Embora o uso de ácido fólico (é encontrado em vegetais de folhas verdes, vagem, feijão, fava, brócolis, espinafre, gema de ovo, germe de trigo, carnes magras, suco de frutas cítricas e em alguns cerais e vitaminas) tenha sido demonstrado muito útil para reduzir efetivamente o risco de DTN, medidas terem sido tomadas para aumentar a conscientização do seu uso, não foi difundido na maioria dos países e é pouco divulgado no Brasil.

Para entender o impacto econômico de tentar impedir DTN com ácido fólico, uma revisão foi realizada em estudos relevantes. Um total de 14 pesquisas sobre o custo da doença e 10 avaliações econômicas sobre a prevenção foram identificados. Achados consistentes foram reportados em todos os valores de estudos da doença, a maior parte para atendimento hospitalar, tratamento no momento do diagnóstico inicial na infância, e para comorbidades (quando aparecem outras doenças ou distúrbios sobre alguma já existente) na vida adulta, além de gastos com o tempo do responsável, que também são significativos.

O importante é que devemos nos conscientizar que quem pensa em engravidar deveria tomar ácido fólico, pois a prevenção deve ser feita no início da gravidez, antes da formação do tubo neural. Em geral, na gravidez se recomenda tomar um suplemento em comprimido. Informe-se com seu ginecologista.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: European Journal of Pediatrics (2011) Published online: 19 May 2011
“Economic burden of neural tube defects and impact of prevention with folic acid: a literature review”
Autores: Yunni Yi, Marion Lindemann, Antje Colligs e Claire Snowball

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade