PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Alergia alimentar: Uma doença que vem crescendo com os hábitos modernos
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Alergia alimentar: Uma doença que vem crescendo com os hábitos modernos

Alergia alimentar: Uma doença que vem crescendo com os hábitos modernos

08/09/2011
  591   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

õîááèò ñìîòðåòü îíëàéí áåñïëàòíî


As alergias representam o grupo de doenças crônicas mais frequente em crianças. Segundo estudos atuais, elas parecem estar aumentando de modo preocupante. Vários fatores são apontados como possíveis responsáveis por esta situação, tais como: o modo de vida moderno, que nos põe em contato com alérgenos ambientais; o menor contato com microorganismos que poderiam estimular o sistema imune e gerar uma resposta protetora contra alergia; e a introdução de novos alérgenos potenciais na dieta pela aquisição de novos hábitos alimentares.

Em particular, a alergia alimentar é uma situação que preocupa as famílias, pois pode prejudicar o crescimento e desenvolvimento da criança, além de alterar a rotina da casa. Nos EUA, um estudo recente que avalia a freqüência da alergia alimentar, relata que 8% dos menores de 18 anos sofrem com este problema, ou seja, quase 6 milhões de crianças e adolescentes.

Destes, mais de 1/3 tem quadros graves. O tipo de alimento desencadeante varia conforme os hábitos regionais e, para os americanos, os alimentos mais implicados são o amendoim (25,2%), leite (21,1%) e crustáceos (17,2%).

No Brasil não existem estudos amplos sobre a prevalência exata desta doença na população. Entretanto, em um estudo de 2004, os alimentos mais comumente encontrados em 457 pacientes com alergia em diversas regiões do país foram: peixe (30,2%), ovo (24,5%), leite de vaca (20,3%), trigo (20,1%), amendoim (14,7%), soja (12,3%) e milho (10,9%).

O leite de vaca foi o mais frequente em crianças abaixo de 2 anos (26%). A alergia alimentar pode manifestar-se com diferentes sintomas. Pode haver comprometimento da pele (urticárias, inchaços ou eczemas), sistema digestório (vômitos, diarréia, distensão do abdome) e menos frequentemente o sistema respiratório (asma).

Em casos mais raros, pode ocasionar o choque anafilático. Para o diagnóstico e controle preciso destes quadros, é necessária uma abordagem especializada, que inclui desde o histórico detalhado do paciente, testes na pele ou no sangue e, em alguns casos, os testes de provocação com o alimento suspeito.

Uma vez determinada a causa, deve-se suspender o alimento e derivados. Muita atenção deve ser prestada aos componentes “ocultos” presentes em certos alimentos industrializados, que podem conter frações do alimento ao qual o paciente é sensível (ex. caseína, que é uma proteína do leite).

O médico deve orientar os termos correlatos ao alimento e a família deve acostumar-se a ler os rótulos dos alimentos industrializados. Também é importante elaborar uma dieta substitutiva, equilibrada e adequada para a idade da criança que assegure o crescimento e desenvolvimento normal.

Por fim, o aleitamento materno pelo menos até os 6 meses, é uma forma de prevenir o das alergias alimentares.

Enviado por Dra. Fátima Fernandes

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade