PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Alimentando a criança com Fenilcetonuria
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Alimentando a criança com Fenilcetonuria

Alimentando a criança com Fenilcetonuria

15/05/2014
  1088   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

336fa882632a031d_shutterstock_116663215.preview

Diariamente nos deparamos com alimentos como refrigerantes e adoçantes com um alerta aos fenilcetonúricos. Mas, o que é Fenilcetonuria e como ela afeta uma criança?

 

A Fenilcetonuria (PKU) é um defeito de nascença herdado geneticamente que provoca uma acumulação indesejável do aminoácido fenilalanina no sangue, o que se torna tóxico para o cérebro. Esta acumulação ocorre porque a enzima que converte rotineiramente um aminoácido, a fenilalanina, em outro aminoácido, tirosina, está ausente ou deficiente. A Fenilalanina, em seguida, se acumula no sangue e torna-se tóxica para o tecido cerebral.

 

Para detectar os bebês que nascem com a PKU é simples: basta realizar um exame de sangue (teste do pezinho). Após a confirmação, o tratamento deve começar imediatamente com o objetivo de evitar os efeitos colaterais adversos da doença, tais como o retardo da inteligência, deterioração neurológica, crescimento atrofiado, hiperatividade e convulsões. A equipe de tratamento geralmente consiste de uma nutricionista metabólica, médico, geneticista e psicólogo. Como o bebê é monitorado durante as diferentes fases de crescimento e desenvolvimento na infância para um adulto. A doença é muito rara e após os testes de pezinho ficou mais rara ainda a formas graves.

 

Uma dieta rigorosa limitada em fenilalanina é o principal tratamento para PKU. A Fenilalanina é encontrada na maioria dos alimentos que contêm proteínas, como leite, ovos, queijo, nozes, soja, frango, carne bovina, carne de porco, feijão e peixe.

 

À medida que a criança cresce e se torna pronta para ingerir alimentos sólidos, um nutricionista com experiência em PKU deve criar um cardápio exclusivo para a criança, porque existem alimentos que estão fora dos limites de fenilalanina. Os planos de refeição incluem fórmulas especiais que muitas vezes são a principal fonte de calorias e nutrientes essenciais. Alimentos especiais sem fenilalanina estão disponíveis para crianças e adolescentes com PKU. A nutricionista irá criar planos alimentares individuais e modificá-los conforme necessário para promover o crescimento e desenvolvimento saudáveis.

 

A dieta deve ser seguida por toda a vida.  Em conjunto com o monitoramento de sangue, análise periódica dos registros de dieta ou revistas de alimentos e tabelas de crescimento da nutricionista, que pode realizar alterações na dieta ao longo da evolução da criança.

 

Pais de crianças com PKU precisam ser criativos com alimentos e uso de livros de receitas disponíveis PKU. Obtenha ajuda com planejamento de cardápio da nutricionista metabólica e planeje com antecedência se for almoçar fora, merenda escolar,  viagens e férias e outros eventos especiais. Quando houver uma ocasião especial, sugira uma atividade ao invés de alimentação e incentive seu filho a fazer parte e descobrir a própria dieta.

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte:  http://www.eatright.org/kids/article.aspx?id=6442480597#sthash.fhlfrrvK.dpuf

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade