PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Alimentos podem transmitir doenças
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Alimentos podem transmitir doenças

Alimentos podem transmitir doenças

24/04/2012
  1285   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Saiba o que fazer para evitar a contaminação dos mantimentos

As doenças transmitidas por alimentos são causadas pela ingestão de comidas ou bebidas contaminadas com patógenos (bactérias ou vírus, por exemplo), em quantidades que afetam a saúde do consumidor. Além desses, essas enfermidades também podem ser causadas por produtos químicos venenosos e outras substâncias nocivas.

No Brasil, a maioria das doenças transmitidas por alimentos são causadas pela Salmonela, Escherichia coli patogênica e Clostridium perfringens, pelas toxinas do Staphylococcus aureus e Bacillus cereus.

Os sintomas mais comuns para as doenças transmitidas por alimentos são: falta de apetite, náuseas, vômitos, diarreia, dores abdominais e febre (dependendo do agente etiológico). Podem ocorrer também enfermidades extra intestinais em diferentes órgãos e sistemas como no fígado (Hepatite A), terminações nervosas periféricas (Botulismo), má formação congênita (Toxoplasmose), dentre outros.

As doenças que causam diarreia e vômitos podem levar à desidratação, caso o paciente perca mais fluidos corporais e sais minerais (eletrólitos) do que a quantidade ingerida. A reposição destes fluidos e eletrólitos é extremamente importante para evitar a desidratação.

As recomendações que seguem são de aplicação geral, tanto para os alimentos comprados de vendedores de rua em postos fixos ou ambulantes, como também para os hotéis ou restaurantes bem conceituados:

• Lave as mãos regularmente:

-antes, durante e após a preparação dos alimentos;
– ao manusear objetos sujos;
– depois de tocar em animais;
– depois de ir ao banheiro ou após a troca de fraldas;
– antes da amamentação;
– entre outras situações.

• Assegure-se que o alimento servido esteja bem cozido e quente (aproximadamente 60ºC);
• Selecione alimentos frescos com boa aparência e antes do consumo, lave-os e os desinfete;
• Não coma alimentos crus, com exceção das frutas e verduras que podem ser descascadas, cujas cascas estejam íntegras;
• Lave e desinfete todas as superfícies, utensílios e equipamentos usados na preparação de alimentos;
• Alimentos prontos, que serão consumidos posteriormente, devem ser armazenados sob refrigeração (abaixo de 5°C) e aquecidos no momento do consumo (centro do produto 72°C);
• Não coma alimentos que tenham estado em temperatura ambiente por mais de quatro horas, isso representa um dos maiores riscos de ter uma doença transmitida por alimento (DTA);
• Reaqueça bem os alimentos, que tenham sido congelados ou refrigerados, antes de consumi-los;
• Compre alimentos seguros, verifique o prazo de validade, acondicionamento e suas condições físicas (aparência, consistência, odor). Não adquira alimentos sem etiqueta que identifique o produtor;
• Os pescados e mariscos de certas espécies, e em alguns países em particular, podem estar contaminados com toxinas que permanecem ativas, apesar de uma boa cocção. Solicite orientação aos moradores do lugar;
• Consumir leite pasteurizado, esterilizado (UHT ou longa vida) ou fervido. Não beba leite nem seus derivados crus;
• Sorvetes de procedência duvidosa são um risco. Evite-os!
• Evite preparações culinárias que contêm ovos crus (Ex. gemada, ovo frito mole, maionese caseira);
• Procure não consumir alimentos crus, mal cozidos ou assados (saladas, carnes, dentre outros);
• Tome cuidado com o contato entre alimentos crus e cozidos;
• Evite comidas vendidas por ambulantes;
• Mantenha os alimentos fora do alcance de insetos, roedores e outros animais;
• Não tome banho ou nade em rios, lagos, piscinas com água contaminada; evitar praias poluídas
• Beba água e/ou gelo apenas de procedência conhecida;
• Quando estiver em dúvida quanto à potabilidade da água de beber, ferva ou a trate com produtos específicos que podem ser obtidos em farmácias;
• A água também pode ser tratada com hipoclorito de sódio a 2,5%. Coloque 2 gotas para cada 1 litro e aguarde por 30 minutos antes de consumi-la;
• Cuidado para não comprar soluções comerciais com hipoclorito de sódio 2,5% que também tenham alvejantes na composição.

Fonte: Ministério da Saúde
Link: http://bit.ly/lpcoV

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade