PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Amamentação: muitas querem, poucas conseguem
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Amamentação: muitas querem, poucas conseguem

Amamentação: muitas querem, poucas conseguem

27/08/2012
  535   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Estudo mostra que nos Estados Unidos, 85% mulheres planejam o aleitamento materno exclusivo, mas apenas 32,4% delas conseguem alcançar este objetivo

A Organização Mundial da Saúde, a Academia Americana de Pediatria e a Sociedade Brasileira de Pediatria recomendam que as mães amamentem (apenas leite materno e medicamentos ou suplementos de micronutrientes, mas sem outros líquidos ou sólidos) durante os primeiros 6 meses de vida de seus filhos.

Estudos têm demonstrado que a maioria das mães nos Estados Unidos não amamenta exclusivamente seus bebês durante 6 meses, mas pouco se sabe sobre quanto tempo as mães haviam planejado para amamentar. No Brasil, pelo levantamento feito em 2006, os números são semelhantes.

Em um novo estudo, “Baby-Friendly Hospital Practices and Meeting Exclusive Breastfeeding Intentio”, os pesquisadores dos Centros para Controle e Prevenção de Doenças, pesquisaram as mulheres grávidas sobre suas intenções para o aleitamento materno exclusivo e em seguida, acompanhado com exames mensais durante o ano seguinte ao nascimento do bebê.

Os autores do estudo encontraram 85% das mães que planejavam amamentar exclusivamente por 3 meses ou mais. No entanto, apenas 32,4% das mães conseguiram realizar o intuito.

As mães casadas e que já haviam tido outro bebê antes, eram mais propensas a amamentar de acordo com um planejamento. Outros fatores que melhoraram as chances de uma mãe realizar seus objetivos com relação à amamentação são iniciá-la uma hora depois do nascimento e não dar suplementos alimentares como fórmulas infantis ou chupetas no hospital. Mães obesas, fumantes ou que amamentavam em menos tempo, eram menos propensas a cumprir suas intenções.

Os autores do estudo concluem que as práticas hospitalares, particularmente dando apenas leite materno no hospital, podem ajudar as mães a amamentarem mais, durante o tempo que elas planejarem.

Apesar de as taxas de aleitamento materno no Brasil crescerem continuamente a cada ano, os valores observados no país ainda são considerados baixos pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Enquanto a entidade considera ideal que todas as crianças de até 6 meses recebam o leite materno, a última Pesquisa Nacional sobre Demografia e Saúde, consolidada em 2006 pelo Ministério da Saúde, apontava que 39% das crianças nessa faixa etária recebiam o peito da mãe. Analisando a situação do aleitamento, segundo áreas urbanas e rurais, verificou-se que a diferença vem diminuindo substancialmente. Em crianças de até 6 meses, a diferença entre as áreas urbanas e rurais foi de 25% em 1975. Em 1989, era de 10%. Neste estudo foi de 2%.

Fundamental para a prevenção de doenças e da mortalidade infantil, o aleitamento materno também é objeto de outras ações do ministério, como a Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano, Hospital Amigo da Criança, Proteção Legal ao Aleitamento Materno, Mobilização Social e Monitoramento dos Indicadores de Aleitamento Materno e agora com o “Brasil Carinhoso” lançado há pouco pela presidente Dilma Roussef.

Por José Luiz Setúbal

Fontes:
1. Correio Brazilenze em 01/02/2009
2. SITUAÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO NO BRASIL
3. “Baby-Friendly Hospital Practices and Meeting Exclusive Breastfeeding Intention,” in the July 2012 Pediatrics (published online June 4)

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade