PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Andador de bebê: uma escolha arriscada
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Andador de bebê: uma escolha arriscada

Andador de bebê: uma escolha arriscada

26/10/2011
  746   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

O equipamento facilita acidentes e dá  acesso a lugares impróprios às crianças

Apesar de pouco recomendados pelos pediatras (inclusive proibido pelas normas da Academia Americana de Pediatria), os andadores de bebê ainda são vendidos e comprados em muitas lojas espalhadas pelo Brasil.

Os andadores que têm rodas são os usados por crianças, enquanto os que não as possuem ou as que ocupam apenas um dos lados do aparelho para caminhar são utilizados por pessoas com dificuldade de andar.

Por que os andadores com rodas são perigosos?

Porque eles dão autonomia para as crianças que não têm noção de perigo e dão acessos a lugares que normalmente não entrariam se não pudessem andar. Os andadores podem rolar nas escadas ou degraus, o que muitas vezes causa fraturas e ferimentos graves na cabeça. A maioria das crianças se machuca nestes aparelhos. Rampas e piscinas também são locais comuns de acidentes.

A cozinha é outro lugar propício aos acidentes, onde é mais fácil para uma criança puxar uma toalha de uma mesa, derramar líquido quente, pegar um cabo de panela fora do fogão e colocar as mãos nas tampas aquecidas dos fornos.

O andador não ajuda meu filho a aprender a caminhar?

Esta é outra ideia errada que se tem em relação aos andadores, a que facilitaria a criança aprender a andar mais rapidamente.

Crianças com cerca de dez meses começam a ficar em pé, sempre apoiadas em algo mais resistente e quando a musculatura das pernas estiverem mais fortes e o equilíbrio estiver mais desenvolvido, elas darão os primeiros passos. Isto acontece por volta de 1 ano até 1 ano e 3 meses.

Os pais geralmente colocam a criança no andador por volta dos 8 meses, em que nem a musculatura nem o equilíbrio estão desenvolvidos para que ela ande sozinha, além de que nesta idade não se tem noção das coisas perigosas.

Como a criança terá sempre apoio, isto faz com que tanto o equilíbrio como a musculatura demorarem mais para se desenvolver.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Fontes: Aliança Europeia de Segurança Infantil e Academia Americana de Pediatria

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • marcelo disse:

    e ai compro ou não compro o andador?

    • Equipe Sabará disse:

      Olá Marcelo, como o texto mesmo enfatiza, a escolha pelo andador é arriscada, do ponto de vista da segurança e do desenvolvimento das crianças. Mas fica a critério dos pais. Abraços! 🙂

  • emiliana disse:

    olha isso é igual chupeta se usar demais estraga a criança meu filho usou e na hora certa foi ótimo pra ele deu uma liberdade dele explorar lugares do quarto dele na hora certa eu tirei e ele andou sozinho o ideal é nunca deixar a criança fazer nada sozinho ainda que deitadinha no berço ela sempre pode se machucar tem sempre que ficar de olho! o problema é que as mães confundem o andador com liberdade é colocar a criança e olho nela não deixar muito tempo pra que ela possa apenas entender que é bem legal andar!!

  • Meire disse:

    Olha, minha filha tem 1 aninho e usa o andador desde os 11 meses na minha opinião ela melhorou bem a firmeza das perninhas, mais sempre ficamos em cima pra não acontecer nada de grave. Abraço.

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade