PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Aprendendo a matemática
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Aprendendo a matemática

Aprendendo a matemática

26/01/2016
  757   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

A matemática está presente em nossas vidas desde o nascimento. Desde muito cedo, nossa vida gira em torno de números, medidas, operações, figuras geométricas. Até mesmo os meios de comunicação demonstram uma infinidade de informações da linguagem matemática. Mas como se desenvolve a matemática na criança? E a atividade física pode auxiliar nessa aquisição?

Segundo Piaget, o conhecimento lógico-matemático é uma construção resultante da ação mental da criança sobre o mundo. É construída a partir das relações elaboradas pela criança nas suas atividades de pensar o mundo, bem como das ações que realiza sobre os objetos. Mas o que isso significa?

Ao longo de seu desenvolvimento, a criança explora o ambiente a sua volta de maneiras diversas. Primeiro com o olhar, com as mãos, pés, com o corpo, etc. Desde os primeiros deslocamentos ela é capaz de entrar em contato com a linguagem matemática. No simples ato de brincar a criança percebe a passagem de tempo, mede distâncias, distingue o pesado do leve, começa a ter conceitos espaciais como perto e longe, em cima e embaixo, fora e dentro, frente e trás. Todas as atividades do homem, sejam elas simples como repartir um pão ou complexas como um projeto de arquitetura e engenharia, estão repletas de conceitos matemáticos. O desenvolvimento da matemática permite a criança o favorecimento do raciocínio lógico e da criatividade.

Uma criança que é estimulada desde pequena tem maiores possibilidades de desenvolvimento da matemática. No momento em que colocamos um bebê no chão para rastejar e mostramos a ele um brinquedo é possível estimular sua capacidade de observação do objeto. Assim sendo, a criança inicia o processo de identificação de cor, forma, peso, tamanho, tipo de material que é feito. No momento em que a criança pega esse objeto e o solta, percebe também que ele cai, dando conhecimentos aos conceitos de física. Aos poucos esse conhecimento lógico matemático vai se estruturando e se organizando na mente da criança. A análise de um objeto feita pela criança nunca ocorre de forma isolada, mas sim, de maneira relacional e comparativa através da diferença e da igualdade.

É justamente aí que percebe-se a importância da atividade física desde cedo. Quanto mais diferenciadas forem as experiências vividas maiores os conceitos que poderão ser adquiridos. A natação, por exemplo, faz com que possamos identificar diferentes meios, diferentes resistências, os conceitos de dentro e fora, com e sem (água), quantidades, distâncias. O mini atletismo proporciona o convívio com a altura, distância, velocidade, pesos. Os jogos esportivos com bola fazem-nos distinguir objetos semelhantes e suas variedades de pesos, comparando-os. Além disso os esportes promovem o desenvolvimento da percepção espacial.

Portanto antes de julgar nossos pequenos por estarem indo mal em matemática na escola perguntemo-nos como estão sendo colocados os meios para que essa matemática possa ser aprendida. Torna-se impossível fazer com que um jovem organize e resolva uma equação de segundo grau se antes não brincar de empilhar, encaixar, organizar, separar, distinguir. Como fazê-lo conhecer os conceitos geométrico se antes não brincou com formas variadas de objetos? Como somar, subtrair, multiplicar e dividir se antes não brincou de vendinha, casinha, escolinha? Como fazê-lo entender conceitos da física se nunca jogou bola tão pouco andou de bicicleta? Como parear números se jogo de memória e quebra-cabeças se quer entrou em sua vida?

Brincar não é perda de tempo. Praticar esportes não é somente para formar campeões e ganhar medalhas. Atividade física vai muito além de estética e condicionamento físico. Formar futuros engenheiros, arquitetos, médicos, advogados entre tantos profissionais de sucesso requer de nós pais e educadores uma visão mais ampla do que apenas o desenvolvimento pedagógico. Criança precisa de movimento e somente através dele é que se dá o pleno conhecimento!

 

 

 

Maria Helena Sampaio de Castro d'Ancora

Maria Helena Sampaio de Castro d'Ancora

Maria Helena Sampaio de Castro d'Ancora é formada em Educação Física e Esporte. Possuí especialização em Psicomotricidade e Análise Existencial/Logoterapia com ênfase na educação. Trabalha com crianças e adolescentes há 20 anos atuando na área de avaliação, estimulação e reabilitação psicomotora. Praticante de esportes desde pequena divide seu tempo entre o trabalho, treinos de corrida e seus filhos Luca (14) e Pedro (7) que herdaram sua paixão pelos esportes.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade