PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Crianças felizes ou tristes?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Crianças felizes ou tristes?

Crianças felizes ou tristes?

25/11/2015
  1303   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

kid

Há algumas semanas Augusto Cury, em entrevista à revista Claudia, falando sobre nossas crianças e jovens, afirmou que “Nunca tivemos uma geração tão triste”. E por que?

Vivemos hoje na sociedade do eletroeletrônico, onde tudo é acessado de maneira rápida e online. Nossos pequenos vivem hoje entre quatro paredes, com os olhos presos nas telas de celulares, computadores, ipads, videogames. Tudo se passa nas telas. A vida, seja ela, real ou virtual movimenta-se a uma velocidade surpreendentemente rápida, a ponto de dar inveja a qualquer corredor de fórmula 1. Mas esses mesmos estímulos passam a ser prejudiciais e podem levar nossos adolescentes a tornarem-se seres intolerantes e artificiais. São incapazes de fazer uma pausa para admirar e contemplar o belo: o cantar de um pássaro, o arrepio de uma brisa fresca, o estalar das folhas caídas das árvores, o tilintar dos pingos da chuva caindo sobre suas cabeças e corpos, o calor do sol, o brilho de um estrela…   Tornam-se pessoas menos tolerantes, contentando-se com “pouco”. Nunca houve um aumento tão grande de suicídio entre nossos jovens.

O cenário não parece nada favorável não é mesmo? Mas lembre-se: quem está no comando? Essa é a grande resposta que vem sendo respondida de maneira errônea por tantos pais. Pais precisam ensinar seus filhos. Precisam orientá-los. Precisam cruzar suas vidas. Precisam dar exemplos. Precisam trocar experiências boas e ruins. Precisam mostrar um mundo diferente daquele que vivem no seu dia a dia. Precisam fazê-los perceber que o consumismo não é a chave para felicidade. Precisam mostrar que as frustrações e decepções fazem parte da vida, assim como as dores das perdas e derrotas. Pais precisam ser pais. Filhos precisam ser filhos. Pais precisam de seus filhos. Filhos precisam de seus pais, e precisam urgentemente!

Mas…. Meu filho não quer sair de casa, do computador, do celular, do whatsapp… Façamos um acordo? Você tem 2 horas de computador se fizer 2 horas de atividade ao ar livre. Nessas duas horas, tente mostrar o que de belo existe no mundo. Por isso, prefira os esportes ao ar livre. Leve-o para correr, andar de bicicleta, skate, patinete, patins. Brinque de pega pega, polícia e ladrão, esconde-esconde. Desperte a imaginação. Crie jogos e brincadeiras. Reúna os amigos para um pic-nic no parque. Crie o dia do “off-line” para a família. Matricule-o em atividades esportivas que priorizem o contato com a natureza e com os demais.

Os esportes ao ar livre trazem grandes benefícios a seus praticantes. Não importa se faz sol ou chuva, mas sim o resultado desses momentos e da percepção de se poder realizar algo. Experimente fazer seu filho pular corda durante 2 minutos dentro de casa. Depois experimente leva-lo a um parque onde ele possa pular corda com outras crianças. Não serão apenas 2 minutos, mas 20, 30, 40… O esporte une as pessoas, mais ainda se é realizado em contato com a natureza. A sensibilidade, a concentração, o senso crítico, a generosidade são trabalhados de maneira muito mais intensa quando estamos em contato com o belo e natural. A ansiedade diminui e a alegria aumenta. O corpo fala daquilo que experimenta.

Assim sendo, vamos em frente! Pais, lutem por seus filhos! Façam-no perceber que o mundo é muito maior do que ele imagina. Que o mundo vai muito além daquela pequena telinha. Que o mundo vale a pena.  Quem disse que é fácil? Mas tenho certeza de que vocês conseguem. Que vocês são capazes. E sabe por que? Simplesmente porque vocês são pais!

assinatura-maria

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade