PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Crianças x reações alérgicas
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Crianças x reações alérgicas

Crianças x reações alérgicas

12/11/2012
  320   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Esse impasse tão comum na infância precisa do cuidado e da atenção dos adultos na hora da alimentação dos pequenos

alergia infantil

Nos dias de hoje, parece que as crianças ficaram mais alérgicas e os imunologistas estudam muito sobre o assunto. Os pequenos que sofrem de alergias alimentares podem ter episódios perigosos e reações alérgicas potencialmente fatais devido à ingestão acidental de alimentos a serem evitados. Na edição de junho da revista Pediatrics deste ano, saiu um interessante artigo sobre o assunto.

No estudo intitulado “Allergic Reactions to Foods in Preschool-Aged Children in a Prospective Observational Food Allergy Study,” os pesquisadores estudaram 512 crianças diagnosticadas com alergia a ovo e a leite. O acompanhamento médio foi de 36 meses. Em geral, 52,5% das crianças relataram reações e, a maioria delas (71,2%), foram provocadas pelo leite (42,3%), pelo ovo (21,0%) e pelo amendoim (7,9%), com exposições acidentais atribuídas a ingestão involuntária por:

1. Rótulo não foi lido atentamente;

2. Alergia cruzada;

3. Os alimentos foram fornecidos por pessoas que não eram os pais em 50,6% das reações.

O interessante foi constatar que 834 das reações a ovo, leite ou amendoim foram atribuídas à exposição proposital a estes alimentos que deveriam ser evitados.

Concluindo, houve uma alta frequência de reações causadas pela exposição acidental e não acidental. O subtratamento de reações graves com adrenalina foi um problema importante, pois não havia disponibilização da droga nos locais onde ocorreram as reações alérgicas.

Para evitar que isso aconteça é preciso vigilância constante como a leitura da etiqueta do produto a ser consumido, evitar a exposição não acidental, a prevenção de contaminação cruzada, a administração de adrenalina apropriada e educação de todos os responsáveis sobre o assunto.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Allergic Reactions to Foods in Preschool-Aged Children in a Prospective Observational Food Allergy Stud

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade