PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Cuidados dermatológicos para o verão
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Cuidados dermatológicos para o verão

Cuidados dermatológicos para o verão

01/01/2015
  473   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

cuidados com o sol

Finalmente chega a época mais esperada do ano e os papais e as mamães não veem a hora de aproveitar as férias em família, claro. Só que se as altas temperaturas já são um tormento para os adultos, imagine para as crianças.

O sol faz bem à saúde, sim, mas nas doses certas, principalmente para os pequenos, que têm a pele mais sensível. A exposição ao sol aumenta o risco de queimaduras, brotoejas, alergias e até de desenvolver câncer de pele no futuro. Bem, mas ninguém precisa deixar as crianças de lado na hora da praia ou dos passeios, basta tomar alguns cuidados para aproveitar todas as vantagens do sol e deixar as desvantagens passarem bem longe.

Sol também faz bem à saúde, mas na dose certa

Pegar sol faz bem à saúde: ele fortalece ossos e articulações ao aumentar a produção de vitamina D, ajuda o cérebro a produzir mais serotonina afastando o risco de depressão, relaxa a musculatura e facilita a circulação do sangue dando a sensação de relaxamento, melhora a qualidade do sono ao aumentar a produção de melatonina pelo cérebro e até ajuda a prevenir alguns tipos de câncer, como os de cólon, próstata, ovários e mama, porque reduz os efeitos da transformação celular.

O que acontece é que os raios UV estão cada vez mais agressivos, então é preciso, no entanto, que adultos e crianças de qualquer idade evitem a exposição ao sol entre 10h e 16h, mesmo com filtro solar. Fora deste horário também é preciso usar filtro de FPS, com no mínimo fator 15 de proteção, em todo o corpo, passado 15 minutos antes do início de exposição ao sol para que dê tempo de a pele absorver as propriedades do produto e ter o efeito desejado. Mesmo com o filtro solar, que deve ser reaplicado a cada duas horas ou depois de cada banho de mar, o melhor é deixar as crianças na sombra, principalmente as menores de seis meses de idade, que não devem ficar diretamente expostas ao sol.

Prefira chapéu a boné, não esqueça tendas ou barracas de praia, roupas leves e água fresquinha

Fique de olho no horário – Seja na praia, na piscina ou na hora do parquinho, as crianças merecem olhos atentos em todos os sentidos. Nada de ficarem expostas, mesmo que indiretamente ao sol entre 10h e 16h: a energia solar é mais forte em locais abertos e a agressão é intensificada pela reflexão na água, na areia, no concreto, asfalto das ruas ou até mesmo na neve.

Prefira chapéus a bonés As crianças ficam uma gracinha de bonés, mas repare: a área de proteção é bem menor do que a de chapéus, cuja aba deve proteger rosto, pescoço e colo. Além disso, se quer deixar o filhote fofo, habitue-o desde cedo a usar também óculos escuros para evitar a fotoceratite, aquele vermelho que aparece na parte branca dos olhos quando o calor é excessivo ou há exposição direta ao sol – e que, lá na frente, pode contribuir para o aparecimento da catarata. Há vários modelos de óculos escuros feitos especialmente para os pequenos, com lentes com filtros solares, que, além de charmosos, também ajudam à criança a adquirir o saudável hábito de proteger os olhos.

Barracas e tendas são indispensáveis As tendas têm uma área maior de sombra, ideal para as crianças brincarem com mais liberdade fora do sol, mas seja como for, atenção ao material. Barracas de nylon são mais leves e fáceis de transportar, mas em compensação protegem menos dos raios UV, que podem passar pelo tecido. Prefira as de lona e as de algodão, que conseguem reter 50% da radiação negativa, são mais resistentes e que fornecem sombra mais fresquinha também.

Água fresquinha, alimentos e roupas leves Tenha sempre água fresquinha por perto, assim como alimentos leves, como frutas e sanduíches levados de casa. Sucos são legais, mas algumas frutas tendem a fermentar no calor, então cuidado. Manter a criança hidratada é fundamental no calor. Evite comprar coisas na praia das quais você não sabe a procedência. Da mesma forma, as roupas também devem ser leves.

É sempre bom lembrar que essas dicas são para as crianças, mas servem também para os adultos. Mas nada de exageros, é claro, a ideia é se divertir e aproveitar as férias, com responsabilidade e bom senso.

 

Autor: Marco Antonio de Oliveira é dermatologista em São Paulo e realiza todos os tipos de tratamentos dermatológicos existentes no mercado.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade