PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Diabetes em crianças
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Diabetes em crianças

Diabetes em crianças

24/05/2018
  1509   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

A Diabetes é uma doença crônica, que atinge 382 milhões de pessoas em todo o planeta, de acordo com os dados da Federação Internacional de Diabetes. Segundo estimativas das entidades, em 2035, esse número deverá chegar a 592 milhões.

No ano passado, o Brasil era o quarto país do mundo com mais diabéticos, com 13 milhões de portadores, número que poderá subir para 592 milhões em 2035. Para cada caso diagnosticado, estima-se que haja um sem diagnóstico. Do total de brasileiros portadores, um milhão são crianças, de acordo com a Associação de Diabetes Juvenil. E a estimativa é de que 7,8 casos, em cada 100 mil serão de pessoas com menos de 20 anos. Em 2035, o número de brasileiros com a diabetes quase dobrará, chegando a 19,2 milhões. No ano passado, houve 124,6 mil mortes relacionadas à doença no País.

Diabetes Mellitus é um distúrbio metabólico muito grave que impede a degradação normal e o uso de alimentos, especialmente açúcares (carboidratos) pelo organismo. Pode danificar o coração, os vasos sanguíneos, os rins e o sistema neurológico e pode causar uma perda progressiva da visão ao longo de muitos anos.

Existem várias formas de Diabetes, mas as duas formas mais comuns são chamadas diabetes tipo 1 e tipo 2. Ambas as formas podem ocorrer em qualquer idade, mas é mais provável que uma criança seja diagnosticada com Diabetes tipo 1.

O Diabetes tipo 1 é causado pela produção inadequada do hormônio insulina pelo pâncreas. Quando isso acontece, o corpo é incapaz de metabolizar adequadamente os açúcares, que se acumulam na corrente sanguínea; esses açúcares (também chamados de glicose) não podem ser usados ​​pelo corpo e são excretados na urina. Isso leva aos principais sintomas da diabetes:

1- Aumento da micção (urina)

2- Sede

3- Cansaço

4- Aumento do apetite

5- Perda de peso

Enquanto Diabetes tipo 1 pode começar em qualquer idade, há períodos de pico em cerca de cinco a seis anos e entre onze e treze anos. O primeiro sinal é muitas vezes um aumento na frequência e quantidade de urina. No entanto, os outros sintomas também podem estar presentes para o diagnóstico de diabetes: queixar de estar com sede e cansado, começará a perder peso e terá um aumento no apetite. É importante identificar esses sintomas precocemente, pois as crianças que são diagnosticadas tardiamente podem ficar doentes, devido à alta taxa de açúcar no sangue e à desidratação.

Embora não haja cura para o diabetes, as crianças com essa doença podem levar uma infância e adolescência quase normais, se o distúrbio for mantido sob controle. É essencial controlar adequadamente o diabetes para evitar complicações. A gerência se concentra no monitoramento rotineiro dos níveis de açúcar no sangue, na terapia com insulina, administrada como múltiplas injeções por dia ou através de uma bomba de insulina, e na regulamentação rigorosa de uma dieta saudável. A manutenção do nível de açúcar no sangue dentro de uma faixa normal pode reduzir a probabilidade de sintomas de açúcares sanguíneos altos ou baixos e diminuir o risco de problemas de saúde em longo prazo relacionados ao controle deficiente do diabetes. Além de uma dieta saudável, pelo menos trinta minutos de exercício por dia podem ajudar seu filho a administrar sua doença também.

Trabalhando com e apoiando o seu filho à medida que ele aprende a se tornar mais independente, você pode ajudá-lo gradualmente a assumir a responsabilidade de cuidar do diabetes, mantendo um senso de independência. As crianças acima dos sete anos de idade normalmente têm as habilidades motoras para começar a aplicar injeções de insulina com a supervisão de um adulto. Eles também podem verificar o açúcar no sangue várias vezes por dia, usando tiras de teste. No entanto, essas tarefas de autocuidado precisam ser supervisionadas por um adulto, a fim de garantir que ele esteja cuidando adequadamente do diabetes, de acordo com as diretrizes do seu médico.

Se o seu filho ingere muita insulina: o açúcar no sangue pode ficar muito baixo (hipoglicemia), causando sintomas, incluindo tremores, batimento cardíaco acelerado, náusea, fadiga, fraqueza e até perda de consciência.

Se o seu filho ingerir pouca insulina: os principais sintomas do diabetes (perda de peso, aumento da micção, sede e apetite) podem retornar.

Desenvolver bons hábitos de controle do diabetes quando uma criança é jovem pode ter um impacto dramático em seus hábitos de gerenciamento à medida que envelhecem. Muitas comunidades também têm grupos de pais ativos disponíveis, nos quais os pais de crianças com diabetes podem se reunir para discutir suas preocupações comuns. Peça ao seu médico uma recomendação.

Saiba mais sobre diabetes:

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte:  Section on Endocrinology (Copyright © 2014 American Academy of Pediatrics)

 

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para os cuidados médicos e os conselhos do seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que seu pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade