PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Falando sobre a microcefalia
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Falando sobre a microcefalia

Falando sobre a microcefalia

17/11/2015
  1100   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

baby

Nos últimos dias acompanhamos várias notícias sobre “um surto” de microcefalia na região Nordeste do Brasil, atingindo principalmente os Estados de Pernambuco, Rio Grande do Norte e Paraíba. O governo brasileiro acabou por decretar “Estado de Emergência Sanitária” por causa de 144 casos em 55 cidades desde outubro e a causa mais provável é uma doença viral chamada Zika.

Bebês com microcefalia nascem com perímetro cefálico menor do que a média. O problema pode ser provocado por uma série de fatores, desde desnutrição da mãe e abuso de drogas, até infecções durante a gestação, como rubéola, toxoplasmose e citomegalovírus. Uma das hipóteses avaliadas pela equipe que investiga o surto é a contaminação da mãe pelo zika vírus.

Transmitido pelo Aedes aegypti, o mesmo mosquito que provoca a dengue, o vírus causa uma reação que até agora era dada como de pouca importância nos adultos: febre baixa, coceiras, manchas vermelhas pelo corpo. A doença chegou ao Brasil neste ano e atingiu principalmente Estados do Nordeste.

A microcefalia é uma condição neurológica rara em que a cabeça de uma criança é significativamente menor do que de outras crianças da mesma idade e sexo.

Microcefalia pode ser causada por uma variedade de fatores genéticos e ambientais. Crianças com microcefalia, muitas vezes, têm problemas de desenvolvimento. Geralmente não há nenhum tratamento para a microcefalia, mas a intervenção precoce com terapias de suporte tais como fonoterapia e terapia ocupacional, podem ajudar a melhorar o desenvolvimento da criança e melhorar a qualidade de vida.

O principal sinal de microcefalia é o tamanho da cabeça significativamente menor do que a de outras crianças da mesma idade e sexo (tamanho da circunferência da cabeça). Usando tabelas de crescimento normalizadas, a medida é comparada com as medições de outras crianças em percentis. Em crianças com microcefalia, as medidas de tamanho da cabeça estão significativamente abaixo da média, possivelmente, até mesmo abaixo do primeiro percentil para idade e sexo do seu bebê.

Provavelmente, o médico irá detectar microcefalia no nascimento do bebê ou em um checkup regular do recém-nascido. No entanto, se você acha que a cabeça do bebê é menor do que o normal ou não está crescendo como deveria, fale com o seu médico.

Microcefalia é, geralmente, o resultado do desenvolvimento anormal do cérebro, o que pode ocorrer no útero (congénita) ou durante a infância. A microcefalia pode ser genética. Outras causas podem incluir:

  1. Craniosinostose: A fusão prematura das articulações (suturas) entre as placas ósseas que formam o crânio de uma criança mantém o cérebro de crescer. Tratar a Craniosinostose, geralmente significa que seu bebê precisa de uma cirurgia para separar os ossos fundidos. Se não existirem problemas subjacentes no cérebro, esta cirurgia permite o espaço adequado para desenvolver e crescer.
  2. Anormalidades cromossômicas: Síndrome de Down e outras condições podem resultar em microcefalia.
  3. Diminuição de oxigênio: para o cérebro fetal (anóxia cerebral). Certas complicações da gravidez ou o parto podem prejudicar o fornecimento de oxigênio para o cérebro fetal.
  4. Infecções do feto durante a gravidez: Estes incluem as doenças virais como Zika, toxoplasmose, citomegalovírus, rubéola e catapora (varicela).
  5. A exposição a drogas, álcool ou determinados produtos químicos tóxicos no útero. Qualquer um destes pode colocar o seu bebê em risco de anormalidades cerebrais.
  6. Desnutrição grave: Não ter uma nutrição adequada durante a gravidez pode afetar o desenvolvimento do bebê.

Algumas crianças com microcefalia têm inteligência e desenvolvimento normal, apesar de suas cabeças serem pequenas para sua idade e sexo. Mas, dependendo da causa e gravidade da microcefalia, complicações podem incluir:

  1. Atrasos de desenvolvimento neuromotor
  2. Dificuldades de coordenação e equilíbrio
  3. Nanismo ou baixa estatura
  4. Distorções faciais
  5. Hiperatividade
  6. Retardo mental

Diante das dificuldades de se confirmar as suspeitas por exames, o governo aposta em duas alternativas, de onde a solução pode ser encontrada. De um lado, aumentou o ritmo para que um teste específico para o zika seja desenvolvido. Uma equipe da Fiocruz de Pernambuco trabalha no projeto e a expectativa é de que, até o fim do mês, a forma “artesanal” já poderá ser testada. O Ministério também entrará em contato com CDC, Pasteur e outros institutos de pesquisa em busca de alternativas.

O Hospital Infantil Sabará conta com um Centro de Excelência em Cranioestenose e Assimetrias Cranianas.

Saiba mais sobre o tema abordado neste texto:

Crânio infantil: quando se preocupar?

A história da cirurgia para cranioestenose

Deformidades cranianas, quando se preocupar?

Cranioestenose e Assimetrias Cranianas

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal.

Fontes:

  1. Governo decreta emergência sanitária apos surto de nascimentos de bebês com microcefalia em Pernambuco
  2. Mayo Clinic Diseases and Conditions
  3. Centro de Excelência em Cranioestenose e Assimetrias Cranianas.
  4. http://www.hospitalinfantilsabara.org.br/hospital-infantil/centros-de-excelencia/centro-de-cranioestenose-e-assimetrias-cranianas.php

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade