PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Fechamento de semestre! Como não se preocupar?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Fechamento de semestre! Como não se preocupar?

Fechamento de semestre! Como não se preocupar?

08/05/2015
  459   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

semestre

Com a proximidade do final do semestre as preocupações com as notas e o desempenho acadêmico, ficam mais evidenciadas tanto para o aluno como para os responsáveis que em geral, esperam visualizar um boletim ‘’exemplar’’.

Acredito que tais problemas afligiram a todos que passaram por essa fase. Por esses motivos procuro me colocar no lugar dos alunos e entender suas dificuldades na escola, que podem ter ocorrido por falta de compromisso, ausência, desorganização, pouco estudo, ou excesso de conectividade. É hora de tomar atitude!

Muitas crianças e jovens são constantemente cobrados por resultados expressivos nas avaliações e nos boletins; contudo, alguns não conseguem se concentrar, transmitem a impressão de desconforto, agitação corporal, como pernas tremulando, movimentos com as mãos, sensações subjetivas diversas, dentre outros sintomas de ansiedade. Possivelmente deixaram para estudar nas vésperas das provas ou passaram conectados aos grupos e mídias sociais descompromissados com a escola e, quando percebem; as avaliações chegaram.

Conscientizar os filhos da importância de manter o foco, a disciplina, administrar a rotina, priorizar as matérias de maior dificuldade, fazer as lições de casa, praticar atividades extras, ainda que seduzidos pelos eletrônicos (gadgets) não é tarefa fácil. Todos estes fatores requerem do estudante e das famílias participação e cumplicidade. Aos pais cabe impor o limite com segurança, e, aos filhos, o exercício da responsabilidade e do papel de estudante.

É preciso orientar as crianças e adolescentes para buscar solução, pois, muitos não sabem lidar com as consequências. O que observo é que a corrida pelo conceito final gera ansiedade, medo, angústia, baixa autoestima e dependendo da condição emocional do indivíduo, pode ser mais ou menos intensa. Em muitos casos não se trata de um transtorno, mas, do despreparo do estudante ou da criança, em trabalhar com as causas resultantes de sua postura e da desorientação. Ficam atormentados!

Segundo o professor Gustavo Teixeira mestre em Educação pela Framingham State University, e autor do livro Manual dos Transtornos Escolares, o desenvolvimento de transtornos ansiosos em crianças e adolescentes, é multifatorial e pode ser desencadeado pelo modelo oferecido pelo adulto, pelas experiências dessas crianças ou adolescentes, herança genética, temperamento, tipo de relacionamento familiar e tipo de criação oferecida.

Pensando em ajudar os estudantes e as famílias a vencer a recuperação, sugiro algumas medidas emergenciais que poderão contribuir para amenizar a situação instalada:

  • Pais e filhos poderão identificar os pontos fracos e fortes que a criança ou adolescente apresenta como aluno.
  • Conversar com os professores sobre estes pontos e o que podem fazer para melhorá-los.
  • Utilizar os recursos que a escola oferece inclusive os virtuais para recuperar e fixar a matéria.
  • Distinguir se foi dificuldade na disciplina ou se seu filho foi relapso com os estudos.
  • Dedicar uma hora por dia para estudar para cada recuperação.
  • Orientar que o estudante discuta e converse com os amigos da classe a respeito da matéria em recuperação.
  • Desconectar-se para estudar!

Ao final de tudo, o estímulo dos pais diante das tarefas realizadas e a mudança de atitudes do aluno, produzirão um efeito significativo para uma vida escolar bem-sucedida e sem ansiedade. E o mais importante: é hora do adulto participar do processo, levando o estudante a perceber que gerenciar os estudos de forma dinâmica e disciplinada, é fundamental para passar pelos próximos finais de semestres tranquilamente.

 

assinatura_Liliam

 

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade