PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Funções dos adultos nas brincadeiras da criança pequena
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Funções dos adultos nas brincadeiras da criança pequena

Funções dos adultos nas brincadeiras da criança pequena

22/09/2015
  1645   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

pais_e_filhos

 

Adultos têm papeis ou funções importantes nas brincadeiras das crianças com menos de dois anos. É bom falar sobre isso porque tais papéis ou funções são diversos e nem sempre reconhecidos. Aqui quero lembrar os que me parecem mais fundamentais e que são exercidos por pais, educadores, agentes culturais, profissionais da saúde, políticos, pesquisadores, produtores de vídeos, sites, blogs, textos ou brinquedos.

Crianças pequenas precisam de brincar com seus pais. É que nessas situações elas os conhecem de outra forma. Uma coisa é uma mãe, por exemplo, séria ou preocupada com os afazeres do dia a dia com o filho, outra é ela “séria ou preocupada” fingindo ser um lobo ao ler ou contar uma história. É certo que o melhor é que os pais sejam lúdicos e leves em qualquer situação com suas crianças, mas nem sempre isso é possível. Por isso, os que cantam, brincam, contam histórias, conversam e dizem o que estão fazendo, são tão importantes ao desenvolvimento da criança quanto aqueles que cuidam de sua alimentação, saúde, higiene e sono.

Crianças pequenas precisam brincar no hospital ou em situações de cuidado de sua saúde. Precisam disso para ocuparem seu tempo livre ouvindo músicas ou histórias, vendo palhaçadas ou coisas engraçadas, colorindo desenhos ou fazendo brincadeiras. Para receberem instruções ou explicações (brinquedo terapêutico), para serem observadas clinicamente, para exercitarem habilidades escolares (classe hospitalar), para desfrutarem das propostas lúdicas feitas pelo brinquedista. Em síntese, para diferenciarem e integrarem o cuidado “sério” que recebem sobre sua doença ou saúde e o modo lúdico e humano pelos quais elas e seus responsáveis são tratados como pessoas no hospital por todos os seus integrantes.

Crianças pequenas precisam brincar com seus educadores na creche. Ali, como em casa, esse brincar corresponde a uma necessidade tão básica quanto os cuidados de higiene, alimentação, descanso e saúde. É importante que os educadores brinquem com ou coordenem brincadeiras de crianças, organizem espaços lúdicos, mobilizem o uso, a guarda e a conservação de brinquedos, incentivem brincadeiras coletivas, e demonstrem na prática, enfim, que o brincar na criança pequena é uma das melhores formas delas apreciarem a vida, enquanto são apresentadas às coisas de sua cultura e sociedade.

Crianças pequenas precisam que políticos, juízes, pesquisadores, produtores de brinquedos, textos, vídeos ou blogs defendam, valorizem, favoreçam, estudem, protejam ou defendam suas brincadeiras como uma necessidade básica. Esses adultos são muito importantes ao brincar das crianças, ainda que não o façam diretamente. Eles são fundamentais para a realização de um brincar que as agrade e mobilizem seus processos de socialização, aprendizagem e desenvolvimento. Elas, ainda que não saibam dizer muito obrigado, são gratas a eles, hoje. O futuro do mundo, amanhã.

Lino-de-Macedo_Assinatura

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade