PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Lesão nos dedos e a prática esportiva
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Lesão nos dedos e a prática esportiva

Lesão nos dedos e a prática esportiva

08/08/2012
  10997   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Saiba o que fazer se estes membros do corpo forem atingidos em alguma atividade física

Qual a criança ou jovem que nunca machucou um dedo fazendo atividade esportiva? Seja ela um jogo de queimada, vôlei de praia ou de quadra, futebol, ou simplesmente uma brincadeira, o membro pode ser atingido. Certamente as lesões nos dedos estão entre as mais comuns das emergências dos hospitais pediátricos.

O diagnóstico se inicia com a comparação do dedo ferido com o mesmo dedo não lesionado da outra mão, e isso é sempre útil. Procure assistência médica se este dedo estiver com movimento alterado, dolorido ou parecer inchado quando comparado com o dedo ileso. Dor, inchaço e deformidade são os sinais mais comuns.

A maioria das lesões no dedo envolve a força que se aplica ao membro de modo que ele vá além da faixa normal de movimento ou algum um golpe direto na ponta dele. Os danos podem atingir ossos, músculos, tendões e ligamentos.

Se o atleta não pode mover o dedo em todas as direções ou se este membro do corpo está deformado, leve a criança imediatamente ao pediatra. As radiografias simples do dedo ferido são geralmente todas necessárias para identificar quaisquer possíveis ossos quebrados ou luxações. Tomografias e ressonância magnética não são comumente importantes.

Repouso, aplicação de gelo, elevação do membro são as primeiras terapias para todas as lesões agudas. Envoltos de compressão podem ser perigosos se eles interferirem na circulação de sangue da ponta do dedo ou se comprimirem os nervos.

O tratamento na maioria dos acidentes que envolvem algum dedo consiste na imobilização, proteção (para segurar o dedo ferido na posição correta) e reabilitação (para restaurar o dedo para uma condição saudável e útil).

Quando a lesão não é mais dolorosa e não há mais edema, o atleta pode fazer exercícios de resistência progressiva. Se você está desconfortável com o tempo necessário para a cura ou tiver alguma dúvida, ligue para o pediatra.

Retornar ao jogo ou prática esportiva irá depender do tipo de deslocamento, fratura, ou entorse; estabilidade; uso da mão no esporte e se ela pode ser protegida. O ideal é que o dedo não seja atingido de modo que a pessoa sinta dor.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Sports Shorts (Copyright © 2001 American Academy of Pediatrics) Projeto Conceitual do Capítulo Ohio, a American Academy of Pediatrics

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade