PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Meu filho precisa de uma dieta livre de glúten?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Meu filho precisa de uma dieta livre de glúten?

Meu filho precisa de uma dieta livre de glúten?

05/12/2011
  730   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Saiba mais sobre as doenças ligadas ao glúten e como tratá-las

Ultimamente, dietas livres de glúten recebem bastante atenção na mídia. Elas têm sido associadas ao aumento de energia, a melhora de concentração e que curam os males digestivos e até mesmo podem melhorar os sintomas do autismo e ADHD (déficit de atenção e hiperatividade) em crianças. Com tantas coisas boas é difícil não se perguntar se seu filho não pode se beneficiar dos alimentos que não contenham a proteína.

O glúten é uma proteína encontrada em certos grãos como trigo, cevada e centeio e porque ele ajuda a tornar os alimentos mais saborosos e melhora a sua textura, também é adicionado a tudo, desde a charcutaria (salsichas, salames, etc.) até nas batatas fritas.

Para a maioria das crianças glúten é completamente inofensivo, com duas exceções:

  1. Crianças que foram diagnosticadas como portadoras de doença celíaca ou;

  2. Como doença não-celíaca com sensibilidade ao glúten.

O que são exatamente a doença celíaca e não celíaca com sensibilidade ao glúten?

A doença celíaca é uma condição autoimune que afeta uma em cada 133 pessoas. Para crianças com a enfermidade, até mesmo o menor pedaço de glúten pode significar problemas, desencadeando a liberação de anticorpos que atacam as paredes do intestino que causam danos, tornando-se difícil de absorver muitos dos nutrientes que elas precisam para crescer e se desenvolver. Eles também podem causar muitos sintomas desagradáveis, como gases, flatulência (aumento do estômago ou dos intestinos por ar ou gases), diarreia e perda ou ganho de peso. Se ela não for tratada, também pode levar a complicações como anemia, distúrbios neurológicos e osteoporose.

Já a não celíaca com sensibilidade ao glúten (NCSG), acredita-se ser mais generalizada de que a doença celíaca e afeta um número estimado de 18 milhões de pessoas nos Estados Unidos, não se tem estatística no Brasil. É semelhante à outra, uma vez que também envolve uma reação imunológica ao glúten. Mas ao contrário dela, não chega a causar danos no intestino. Assim, enquanto uma criança com NCSG pode ter muitos sintomas parecidos, mas não terá o mesmo dano intestinal e como consequência as deficiências nutricionais ou de complicações a longo prazo.

Atualmente, o único tratamento para a doença celíaca ou NCGS é uma dieta sem glúten. Ela é extremamente restritiva para que possa dar certo, sendo assim, é difícil para uma criança seguir e também pode ser psicológica e socialmente desafiadora. Festas de aniversário, comer fora e até a hora do lanche na escola pode ser uma tarefa difícil.

Mas a boa notícia é que quando as crianças com doença celíaca retiram o glúten, retorna o seu crescimento ao normal e os sintomas melhoram rapidamente de acordo com o Journal of the American Dietetic Association – 2008, um artigo de revisão sobre o assunto.

Se você suspeita que seu filho tenha doença celíaca ou NCGS, os especialistas recomendam que ele seja examinado pelo seu pediatra, antes de retirar o glúten da dieta. Na verdade, os testes para essas condições só funcionam se a criança consumir alimentos que contêm a proteína.

Porque o glúten é encontrado em tantos alimentos, restringir desnecessariamente pode fazer com que seu filho perca nutrientes importantes como vitaminas B e ferro, que são encontrados em alimentos enriquecidos como cereais, pão, macarrão, etc.

Se, após o teste, seu filho precisar ficar sem glúten, poderá ser acompanhado por um nutricionista para ajudar a desenvolver um plano que garanta que ele receba todos os nutrientes necessários para ter uma saúde ótima.

Tradução e adaptação: Dr. José Luiz Setúbal

Fontes: Journal of the American Dietetic Association- 2008 e Kids eat rigthDra Karen Ansel

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • edilaine disse:

    Boa Noite, por favor quero saber sobre idade ossea, pq minha filha o ano passado fez esse exame e ela estava com 6 anos e 9 meses ( e idade ossea 7 anos) refiz esses exame esse ano e a idade ossea alterou muito ( para 9/10 anos), isso e so hormonal ou tb pode ser psicologica Hj ela tem 7 anos e 3 meses??? Sua mama tb apresentou alteracao.

    • Equipe Sabará disse:

      Olá Edilaine, tudo bem?

      Realmente este resultado não é normal e podem sim haver problemas hormonais. Nosso conselho é que procure um endocrinologista com estes exames em mãos e peça sua opinião.

      Abraços!

      Equipe Hospital Infantil Sabará

  • Mara Amélia de Pina Lima disse:

    Olá boa noite, meu filho tem 4 anos e pesa 29 kilos, queria uma dica para ajudar,na dieta, ele não come guloseimas so gosta de comida, legumes verduras. oque posso fazer mas??

    • Equipe Sabará disse:

      Mara, uma criança de 4 anos que 29 kg, você não nos deu a altura, deve estar bem acima do peso, provavelmente com uma obesidade (você pode usar a ferramenta de IMC do blog). Como você diz que não come guloseimas, preciaríamos ver o que está ocorrendo para ele engordar este tanto. Leve a um pediatra para ele avaliar a dieta, a eventualmente solicitar exames. Obrigado.

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade