PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Novos tratamentos para a leucemia
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Novos tratamentos para a leucemia

Novos tratamentos para a leucemia

25/01/2018
  585   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Saiu na imprensa leiga com grande alarde o novo tratamento para câncer como a Leucemia, inclusive para crianças. Por meio de terapia genética, células imunológicas podem eliminar câncer com alta precisão, sem os efeitos colaterais de uma quimioterapia ou uma radioterapia.

O Jornal da USP, uma parceria entre o Instituto de Estudos Avançados, a Faculdade de Medicina e a Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão, e foi quando ouvi o professor Bryan Eric Strauss, do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo, falar de um novo tratamento para leucemia que tem sido aplicado com sucesso nos Estados Unidos. O especialista descreve que o tratamento consiste na modificação das células de defesa do paciente, por meio da utilização de um vírus. O sistema imune passa a ser capaz de identificar e eliminar as células cancerosas com bastante precisão. Até 90% dos pacientes têm respondido bem ao tratamento, ressalta Strauss.

A terapia envolve a remoção do corpo do paciente de milhares de células T, um tipo de glóbulo branco, por um centro médico aprovado. Em seguida, essas células são congeladas e enviadas a uma fábrica da farmacêutica onde o processo de modificação é realizado por meio de uma técnica de engenharia genética que emprega uma forma inativa de HIV, o vírus causador da Aids, para levar o novo material genético às células e reprogramá-las. Esse processo empodera as células T para que elas se liguem à proteína CD-19 presentes na superfície de quase todas as células B — componente natural do sistema imunológico que se torna maligno na leucemia — e as ataquem. As células T geneticamente modificadas são aplicadas na corrente sanguínea dos pacientes, onde se multiplicam e começam a combater o câncer. Uma única célula é capaz de destruir até 100 mil células cancerígenas. Essa capacidade deu a elas o apelido de “serial killers”.

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte Atualidades, Rádio USP, Jornal da USP no Ar

O professor Bryan Eric Strauss, do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo, fala de um novo tratamento para leucemia que tem sido aplicado com sucesso nos Estados Unidos.

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade