PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
O consumo de álcool na gravidez
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
O consumo de álcool na gravidez

O consumo de álcool na gravidez

13/11/2012
  851   
  2
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

É preciso ter consciência que a ingestão da bebida pode comprometer o desenvolvimento da criança

álcool na gravidez

Como pediatra, não tenho muito contato com o pré-natal, mas a pergunta em relação ao que pode ou não fazer durante a gravidez e a amamentação estará sempre presente.

O que precisamos saber é que o álcool passa pela placenta e pelo leite. Da corrente sanguínea de quem bebeu, ele vai para o feto e para o leite da nutriz, claro, se a mãe for consumidora da substância.

Não há quantidade segura de álcool para ser ingerida durante a gravidez. Também não há um período correto durante a gestação para consumir nenhum tipo de bebida alcoólica. O CDC indica às grávidas para não beberem álcool durante a gestação e durante a amamentação.

Essa postura me parece muito radical e tem muita relação com a saúde pública, uma vez que mães alcoólatras podem ter filhos com alterações genéticas e, provavelmente, não cuidarão bem de seus filhos.

Por que o álcool é perigoso?

Quando uma mulher grávida bebe álcool, o mesmo acontece com seu bebê. O álcool no sangue da mãe passa através da placenta e chega ao bebê pelo cordão umbilical. Consumir a bebida durante a gestação pode causar aborto, morte fetal e uma série de distúrbios ao longo da vida, conhecidos como transtornos do espectro do álcool fetal (FASDs). Crianças com FASDs podem ter as seguintes características e comportamentos:

– Anormalidades faciais, tais como um rebordo suave entre o lábio superior e o nariz (isto é chamado crista do filtro);

– Tamanho da cabeça pequena;

– Estatura menor do que a média;

– Baixo peso corporal;

– Má coordenação;

– Comportamento hiperativo;

– Dificuldade em prestar atenção;

– Alteração da memória;

– Dificuldade na escola (especialmente com a matemática);

– Dificuldades de aprendizagem;

– Atrasos de fala e linguagem;

– Deficiência mental ou baixa de QI;

– Raciocínio pobre e habilidades de julgamento afetadas;

– Problemas de sucção quando bebê;

– Problemas de visão ou de audição;

– Problemas com o coração, rins ou ossos;

Quando o álcool é perigoso?

Durante a gravidez, não há período considerado seguro para beber álcool. Consumi-lo nos primeiros três meses de gravidez pode fazer com que o bebê tenha características faciais anormais, o crescimento seja afetado e os problemas centrais no sistema nervoso (por exemplo, baixo peso e problemas comportamentais). O cérebro do bebê está se desenvolvendo no decorrer da gestação e pode ser danificado a qualquer momento.

Como se vê, existe uma série de coisas que o álcool pode afetar, mas acredito que beber álcool eventualmente (1 a 2 vezes por mês), em pequenas quantidades (1 a 2 taças), não ocasionarão problemas ao bebê.

Para mim, como pediatra, um pré-natal bem feito, com orientação adequada dada pelo obstetra, é a melhor maneira de ter uma gestão tranquila e de baixo risco. Converse com o médico sobre o consumo de álcool durante a gravidez.

Por Dr José Luiz Setúbal

Fonte: CDC Fetal Alcohol Spectrum Disorders (FASDs)

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • Fabiana Lima Parraf disse:

    Boa tarde, estou com o meu filho internado no hospital desde o dia 12/11 por conta de um abscesso inflamado. O atendimento tem sido maravilhoso, a atenção das enfermeiras, da equipe médica, porém há uma laranja podre, muito podre entre vocês e eu gostaria de relatar.
    Na madrugada do dia 12/11 estivemos no PS e fomos atendidos pela Dra. Sandra Marcia Faria, atendimento esse que me deixou indignada, pois a mesma deu orientações ridiculas e quando eu insisti e questionei sobre as orientações passadas, ela disse que era pra eu consultar o Google para me informar sobre o tratamento, pq lá teria tudo.
    Orientações dadas por ela:
    – o bebê deve fazer o cocô somente na agua ( como se houvesse um alarme que tocasse qdo isso acontece, de que forma vou saber isso de um bebe de 4 meses?)
    É um absurdo alguem ter dedicado boa parte da vida estudando para ser um profissional mediocre que essa Dra. Sandra Marcia é…ela disse tb que eu voltasse depois das 10h da manhã para confirmar com um cirurgião as orientações que ela estava passando.
    Realmente eu voltei e o resultado foi internação por 3 dias e antibiotico direto na veia….Essa infeliz nem se deu ao trabalho de verificar o estado do machucado, de verificar que antibiotico que ele estava tomando não estava fazendo efeito, visto que ele já estava tomando há 10 dias.
    Vou fazer uma queixa formal dessa senhora no Conselho Regional de Medicina pq é um crime alguém tão despreparado atender pacientes.
    Acredito que o hospital Sabará deve tomar providencias, pq é um hospital particular e cada paciente vale $$$ mto para o hospital, imagina se todos consultarem o Google como orientou essa “médica” ao invés de vir ao PS? Acredito que seria bem ruim financeiramente para o hospital.
    Estou no quarto 1307 a disposição para qualquer esclarecimento.
    Obrigada.

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade