PESQUISAR

Residência Médica
Residência Médica
Álcool e gravidez: um coquetel perigoso
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Álcool e gravidez: um coquetel perigoso

Álcool e gravidez: um coquetel perigoso

26/09/2019
  738   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

A data de 9 de setembro é considerada como o Dia Mundial de Prevenção da Síndrome Alcoólica Fetal (SAF) em diversos países e conta com o apoio da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Organização das Nações Unidas (ONU). Em ressonância com estas Instituições, e, devido ao grave problema de saúde pública, há alguns anos, a Sociedade Paulista de Pediatria criou um grupo de estudos denominado “Efeitos do álcool na gestante, no feto e no recém-nascido” e posteriormente tornou-se uma campanha para toda a Sociedade Brasileira de Pediatria.

Estima-se que em cada 1000 nascimentos dois recém-nascidos possam estar comprometidos pela SAF, que é a forma completa da Síndrome, porém este número pode ser ainda muito mais elevado, pela presença de outros sinais e sintomas, nem sempre concomitantes à SAF clássica, em especial as alterações neurológicas e comportamentais.

Conforme publicação de 2016, Updated Clinical Guidelines for Diagnosing Fetal Alcohol Spectrum Disorders, para a SAF ser diagnosticada devem estar presentes as anormalidades de crescimento, anormalidades faciais e do sistema nervoso central (SNC) – confirmado ou não exposição intrauterina ao álcool. Os principais critérios de avaliação incluem, entre outros:

 

Anormalidade de crescimento

  1. Peso de nascimento ou peso corporal < percentil 10th;
  2. Comprimento de nascimento ou comprimento corporal < percentil 10th;
  3. Índice de massa corporal < percentil 10th.

 

Anormalidades Faciais

  1. Fissura palpebral curta;
  2. Filtro nasal liso;
  3. Lábio superior fino.

 

Anormalidade do Sistema Nervoso Central

  1. Alterações funcionais do SNC (atenção, habilidades motoras, aprendizagem, funções executivas abaixo do normal);
  2. Alterações estruturais do SNC (microcefalia < 10th).

 

Outros órgãos também podem ser acometidos, como o coração, outras malformações craniofaciais, esquelética, genital, urinária e alterações dentárias. A ingestão de álcool na gravidez é a primeira causa de microcefalia, quando não se considera as causadas por doenças infectocontagiosas.

A SAF não tem cura e dura toda a vida. No entanto, ela é 100% prevenível, podendo ser, portanto, 100% evitável, desde que a gestante se abstenha do consumo de álcool durante a gravidez, e até mesmo antes desta. Se a mulher deseja engravidar ou já se encontra grávida, TOLERÂNCIA ZERO PARA O USO DE ÁLCOOL NA GESTAÇÃO.

Quando mais de um milhão de crianças nascem a cada ano com lesões cerebrais devidas a uma causa conhecida e prevenível, a resposta deve ser imediata, determinada, sustentável e efetiva.

SOMOS TODOS RESPONSÁVEIS PELA PREVENÇÃO DESTA EPIDEMIA SILENCIOSA.

Dra. Márcia de Freitas

Dra. Márcia de Freitas

Dra. Márcia de Freitas é médica pediatra, neonatologista e doutora pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP). Atualmente, é pediatra do Ambulatório de Puericultura do Instituto PENSI.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

NOSSAS INICIATIVAS
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade