PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
O que é a Síndrome do X frágil?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
O que é a Síndrome do X frágil?

O que é a Síndrome do X frágil?

09/09/2013
  742   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Também chamada de Síndrome Martin-Bell, essa doença afeta em maioria o público masculino

 Síndrome do X frágil

Será que alguém já ouviu falar em Síndrome do X frágil?

Para quem nunca ouviu falar dela, trata-se de uma doença muito rara que ocorre, principalmente, em meninos. Ela tem como característica a dificuldade de aprendizado devido à deficiência mental que pode ser moderada ou grave. Geralmente nas meninas, esse quadro é mais leve. Os homens com a mutação completa são afetados de maneira significativa ao contrário das mulheres em que o grau varia amplamente.

As características clínicas da Síndrome X frágil mudam dependendo do estado da mutação (a mutação completa contra a pré-mutação) e a magnitude do déficit da proteína (FMRP). As características físicas podem ser sutis. O diagnóstico em meninos, muitas vezes, denuncia atraso no desenvolvimento global e das características típicas de comportamento. Cerca de 15% deles apresentam sintomas de déficit de atenção e de hiperatividade ou dificuldades de aprendizagem específicas.

Diagnóstico da Síndrome do X frágil

As manifestações físicas clássicas da Síndrome do X frágil são mais evidentes em adolescentes: rosto comprido e estreito, com testa e queixo (prognatismo) proeminente, orelhas grandes, alargamento testicular com função normal, atraso no desenvolvimento (inclui-se atraso do desenvolvimento motor e de linguagem), deficiência intelectual (retardo mental) e dificuldades de aprendizagem. Todas elas são as características clínicas mais marcantes. Na adolescência, podem ocorrer convulsões.

O diagnóstico é feito por meio de exames genéticos. O tratamento envolve uma equipe multiprofissional com professores, psicólogos, pediatras, neurologistas, fonoaudiólogos e terapeuta ocupacional.

Por: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Up to Date

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade