PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Obesidade e Frustrações, como lidar?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Obesidade e Frustrações, como lidar?

Obesidade e Frustrações, como lidar?

17/08/2015
  698   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

obesidade-e -frustracoes-como-lidar

Sabemos que a obesidade infantil é um dos grandes problemas de saúde da humanidade atualmente. Sabemos que ela é causada por má alimentação (alto consumo de comidas “engordativas”) e também pelo excesso de ingestão. Mas e o lado psicológico? Por que surge uma criança obesa? Quais os fatores emocionais/relacionais que fazem com que se desenvolva? Vamos falar um pouco disso?

A primeira relação do bebê é com sua mãe. Ele não se sabe um “ser”, um corpo separado. O alimento, o seio é seu ponto de contenção. Não entende o que se passa dentro de si e nem o que necessita. Aquela que cuida é quem lê suas necessidades e as sacia da forma que sabe fazê-lo. O vínculo começa a ser estabelecido e então todo o aprendizado desse novo ser começa a ser construído. É dessa relação que o bebê irá perceber suas faltas, suas emoções, e como lidar com elas. Aquele que não é saciado carrega uma experiência que o faz (inconscientemente) não se sentir merecedor, por exemplo. Ou de se satisfazer com pouco, de ser preterido… Da mesma forma, uma mãe que sacia demais seu bebê (não só na alimentação, mas também no cuidado) pode não apresentá-lo à falta, tão necessária para aprender a lidar com os desejos, criando assim uma criança que não sabe ficar só, que não sabe ser privada de algo que quer, uma criança que não desenvolveu saudavelmente seu emocional. Ok. Mas e a comida nisso?

O alimento é um objeto externo, que sabemos, prazeroso, e sobre o qual o sujeito exerce poder. Pode ser um substituto de afeto, funcionando como uma solução para aquilo que lhe faltou. Ou seja, a falta de afeto faz com que a criança procure externamente um objeto (a comida) que lhe preencha e complete. É uma forma artificial, um objeto de adição, que funciona como uma tentativa de suprir o que não tem ou não teve, o objeto materno que cuida. Oferece, inconscientemente, ajuda temporária, mas torna-se ao longo do tempo um moto difícil de ser largado pois cai no costume, na forma de viver da pessoa. Esse lado é talvez o mais conhecido. A compulsão alimentar, que leva a obesidade, é fruto de carência emocional, digamos assim. E, sem se desviar do foco psicológico, podemos perceber o quanto a mídia é poderosa e faz uso desse fim para vender aos pequenos, prazeres em forma de alimento, prometendo alegria e felicidade.

Mas há também outro lado. O de excesso de cuidado. O da super-proteção. Da criança que não aprendeu a lidar com as frustrações da vida. Aquela que é fruto de um ambiente onde tudo lhe foi proporcionado, que não vivenciou a falta e que, portanto, não desenvolveu instrumentos que lhe permitam vivenciar frustrações, não conseguindo lidar com os aspectos desagradáveis da vida. A comida nesse caso entra não só como um possível substituto para isso, e também como aquele objeto sobre o qual não há freio. Ela nunca foi apresentada a limites, portanto não sabe quando parar. Nesse caso, há também um agravante futuro, pois no momento em que essa criança se torna obesa e tem que passar por restrições, não consegue fazê-lo, pois não aprendeu a tê-las. É uma bola de neve. Aquela criança que não desenvolve a necessária capacidade de lidar com a falta muitas vezes acaba por confundir sensações de tristeza, solidão, carência e desejos não realizados, com fome, buscando no alimento a sua satisfação e perdendo a noção de saciedade.

Há também aquelas mães que respondem a todas as manifestações de seus bebês alimentando-os, “ensinando-os” que o alimento é a forma de solução. Cria-se, portanto, crianças que não sabem seus limites físicos pois a ingestão torna-se algo para além da satisfação fisiológica, um a mais que leva a obesidade, pela falta de controle. O sujeito come pelo ato de comer, sem perceber a quantidade ou o que está comendo já que isso encaixa-se em todas as situações emocionais, seja de alegria, seja de tristeza.

Portanto, temos na comida uma válvula de escape para vários aspectos, mas se pararmos para analisar, ligados à frustração. Seja como uma forma compensatória de ter aquilo que não recebeu sob a forma de carinho, cuidado, amor. Seja por não saber lidar com os aspectos negativos da vida, como ansiedade, medo, fraquezas. Seja por não conseguir ter freio, a falta de controle, a frustração de não conseguir controlar nem mesmo aquilo que lhe faz mal. Indo além, futuramente a obesidade pode funcionar como uma muleta para que a pessoa não lide com seus demais problemas ou frustrações, transformando seu excesso de peso no foco central de todas as suas dificuldades.

Crianças fisicamente saudáveis não nascem obesas. São fruto de sua criação, de suas experiências, do vínculo que viveu e da forma que encontrou para lidar com eles, representando-os de forma “não saudável” digamos assim, na sua relação com a comida e aquilo que ela lhe proporciona. Lembrando sempre que cada ser é único, um sujeito com suas características, personalidade, peculiaridades e que enxerga e sente o mundo de seu modo, nas suas fantasias, que podem ser ou não reais. Portanto não se pode dizer que toda criança obesa é fruto de má-criação, nem sentir-se culpado por ter um filho acima do peso, afinal os pais, de modo geral, fazem o melhor possível, mas ajuda ter em mente os aspectos levantados acima.

Para concluir, é importante chamar a atenção de que quanto mais tardiamente a obesidade (ou sua tendência) seja abordada a nível psicológico, mais difícil será sua solução, pois já estará mais enraizada e “calcificada” na pessoa, que já estabeleceu esse modo de funcionamento psíquico.

Matéria: Instituto Pensi

Fonte: SPADA, Patricia Vieira. Obesidade Infantil – Aspectos Emocionais e Vínculo Afetivo Mãe/ Filho. Rio de Janeiro; Livraria e Editora REVINTER Ltda, 2005


assinatura_leticia

 

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • Lucila Kneese disse:

    Letícia,
    Parabéns pelo seu artigo tão oportuno nos dias de hoje, quando vemos nossas crianças cada vez mais obesas e sem praticarem esportes, obcecadas por jogos eletrônicos, hipnotizadas por seus celulares, tablets, etc.
    É sempre com muito prazer que leio seus artigos, parabéns mais uma vez!
    Lucila Kneese

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade