PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Obesidade entre adolescentes
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Obesidade entre adolescentes

Obesidade entre adolescentes

16/11/2020
  113   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Aproximadamente 15,5% dos adolescentes americanos têm obesidade, uma condição que pode ser exacerbada pela pandemia de Covid-19 e pode colocar as crianças em risco aumentado de doenças graves causadas pelo vírus.

A Fundação Robert Wood Johnson divulgou um novo relatório, “Estado da obesidade infantil: priorizando a saúde infantil durante a pandemia”, com estatísticas americanas sobre obesidade entre crianças de 10 a 17 anos e recomendações para ajudá-las a terem acesso a alimentos saudáveis. “A obesidade infantil continua sendo uma epidemia neste país”, disse Jamie Bussel, oficial sênior do programa da Fundação Robert Wood Johnson, em um comunicado à imprensa.

A pandemia de Covid-19 e a recessão econômica agravaram muitos dos fatores mais amplos que sabemos que contribuem para a obesidade, incluindo pobreza e disparidades de saúde. Devemos enfrentar essas crises atuais de maneiras que também apoiem ​​a saúde e a igualdade de longo prazo para todas as crianças e famílias nos Estados Unidos.

A obesidade é definida como o índice de massa corporal igual ou superior ao 95 ° percentil para a idade e sexo e tem sido associada ao aumento do risco de diabetes tipo 2 e a pressão sanguínea elevada. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças também consideraram um possível fator de risco para doenças graves de COVID-19.

Os dados da Pesquisa Nacional de Saúde Infantil 2018-1919 mostram que as taxas de obesidade eram mais altas entre as crianças indígenas havaianas/outras ilhas do Pacífico (40%). Em seguida, aparecem índios americanos/nativos do Alasca (29%), negros (23%), crianças hispânicas (21%), de raça múltipla (15%), brancas (12%) e asiáticas (6%).

As taxas de obesidade em famílias de baixa renda eram mais do que o dobro das taxas de adolescentes em famílias de alta renda. “Vimos essas disparidades por décadas no que diz respeito às taxas de obesidade infantil”, disse Bussel.

Este ano, também vimos pessoas negras e pessoas de baixa renda serem as mais afetadas pela pandemia Covid-19. Em ambos os casos, esses resultados refletem décadas de desinvestimento em comunidades específicas e grupos específicos de pessoas, muitas vezes impulsionados pelo racismo sistêmico e pela discriminação que ainda prevalecem em nossa sociedade.

Durante a pandemia, o fechamento de escolas fez com que muitas crianças não tivessem acesso a refeições saudáveis ​​e gratuitas e a perda de empregos dos pais tornou ainda mais difícil comprar alimentos saudáveis, de acordo com o relatório.

A Fundação Robert Wood Johnson faz várias recomendações para ajudar a melhorar o acesso durante a pandemia e a longo prazo. Recomenda aumentar e expandir os benefícios do Programa de Assistência à Nutrição Suplementar (SNAP) e do Programa de Nutrição Suplementar Especial para Mulheres, Bebês e Crianças (WIC), garantindo o acesso à merenda escolar gratuita mesmo quando as escolas estão dando aulas virtualmente e elevando os padrões de nutrição para essas refeições. “SNAP, WIC e merenda escolar têm benefícios comprovados para crianças e famílias”, disse Bussel. “Dadas as circunstâncias sem precedentes que as famílias enfrentam, devemos garantir que elas alcancem todas as pessoas qualificadas. Isso ajudará a garantir que as crianças e famílias possam permanecer saudáveis ​​durante esta pandemia e provavelmente reduzirá o risco de obesidade a longo prazo”.

O grupo também defende a garantia de acesso seguro aos parques, oportunidades de atividade física e diretrizes alimentares nacionais para estimular a redução do consumo de açúcar.

Todos esses problemas encontramos igualmente no Brasil, com a diferença que não temos os estudos e as estatísticas. As notificações do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional, de 2019, revelam que 16 % das crianças brasileiras entre 5 e 10 anos estão com sobrepeso; 9% com obesidade; e 5% com obesidade grave. Em relação aos adolescentes, 18% apresentam sobrepeso; 9% são obesos; e 4% têm obesidade grave.

Se alguns fatores de risco da Covid-19, como o menor acesso à assistência médica, são consequência direta da pobreza, outros são mais complexos. Predomina nas classes mais baixa uma série de comorbidades, que vem se mostrando determinantes nos casos de complicações decorrentes da Covid-19 em jovens. A obesidade de crianças e adolescentes é um exemplo: mais presente entre a população de baixa renda, relacionada a um maior consumo de alimentos ultraprocessados, mais baratos e acessíveis à população urbana com menor poder aquisitivo. Ainda assim, não há estudos publicados mostrando isso.

Saiba mais:

Fonte: 2020 American Academy of Pediatrics National Conference

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade