PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Os efeitos do uso de drogas ilícitas e lícitas na gestação
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Os efeitos do uso de drogas ilícitas e lícitas na gestação

Os efeitos do uso de drogas ilícitas e lícitas na gestação

08/04/2013
  2338   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Estudo reabre o debate sobre os perigos do consumo de substâncias que prejudicam o feto

Drogas ilícitas e lícitas na gestação

A Fundação Hospital Infantil Sabará tem como uma de suas preocupações o estudo e a pesquisa sobre a Primeira Infância. Para nós, essa fase de vida da criança inicia-se na gestação e segue até a idade escolar, aqui no Brasil, aos 6 anos.

Nossa preocupação com essa fase se dá porque é nesse período que você pode ajudar a criar adultos saudáveis e bem adaptados ao mundo. Além disso, essa época se preocupa muito com as liberdades individuais e há certa mania de se diminuir os efeitos nocivos de drogas lícitas como álcool e tabaco, e mesmo as ilícitas como a maconha.

Em um artigo da edição de março da revista Pediatrics, a Academia Americana de Pediatria (AAP) apresentou um relatório técnico intitulado “Abuso de Substâncias pré-natais: a curto e longo prazo, os efeitos sobre o feto exposto”, onde fornece informações sobre as substâncias mais comuns envolvidas na exposição fetal: a nicotina, o álcool, a maconha, os opiáceos, a cocaína e as metanfetaminas.

A conclusão do relatório foi que o uso de substâncias durante a gravidez pode prejudicar o feto em crescimento. No início da gestação, malformações fetais podem ocorrer generalizadamente e, mais tarde, é o desenvolvimento do cérebro do feto que fica mais vulnerável às lesões. Os efeitos da exposição à substância podem incluir o crescimento atrofiado do cérebro ou as descobertas mais sutis como alterações neurocomportamentais.

O álcool, por ser a droga mais utilizada, é a substância mais frequentemente estudada por causa do consumo em excesso que pode causar vários problemas fetais, incluindo o crescimento restrito, anomalias congênitas, problemas de comportamento, falta de memória e deficiência intelectual. Exposição pré-natal à nicotina tem sido associada com problemas de desenvolvimento cerebral, cognição, linguagem, desempenho e comportamento a longo prazo.

O relatório conclui que o papel do médico sobre os cuidados primários é abordar a prevenção do uso dessas substâncias no pré-natal, a identificação da exposição, o reconhecimento de problemas médicos para o bebê recém-nascido exposto e o acompanhamento regular para monitorar quaisquer efeitos a longo prazo.

Esse estudo pode ser um bom orientador para nossas políticas públicas de pré-natal como Mãe Paulistana e tantos outros projetos na mesma linha espalhados pelo Brasil.

Por Dr. José Luiz Setúbal
Fonte: Revista Pediatrics

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade