PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Quando os pais passam a ser os “piores do mundo”?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Quando os pais passam a ser os “piores do mundo”?

Quando os pais passam a ser os “piores do mundo”?

13/08/2013
  523   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

A transição para a adolescência gera a quebra dos vínculos infantis e a reconstrução de sua visão dos pais

pais e adolescência

Em que momento os pais passam de exemplos, muitas vezes heróis, para aqueles chatos, que não sabem de nada e incomodam? Em um processo natural, isso ocorre na adolescência, quando o adolescente passa pela “independização”.

Na adolescência, o processo de amadurecimento para a vida adulta ou o “adultecimento”, requer que o adolescente, além de criar uma identidade própria, rompa com os vínculos infantis para criar um tipo mais maduro. É a sua “independização”. Há uma menor tolerância com os pais que não são mais idealizados como antes e, comumente, uma maior rebeldia. Não é, no entanto, uma ruptura, mas sim uma transformação.

Esse processo, embora doloroso para os pais, que passarão a ser vistos como chatos, errados, caretas, às vezes, os “piores do mundo”, é imprescindível. A adolescência é sofrida, é um período de muitas perdas. O adolescente sofre por perder a infância, seu lugar de criança e a dependência dos pais. É pela desvalorização dos pais que o adolescente poderá se separar deles sem que sinta que está perdendo muito.

Muitas vezes, o grupo familiar acaba por sofrer com essa nova atitude do filho (a), pois há uma perda de controle (que não deve levar à falta de orientação nem de limites).  Mas é preciso entender e ter paciência: é uma etapa necessária, onde a figura dos pais passa a ser denegrida para que possa ser reconstruída. A boa notícia é que, quando se lida com essa fase de forma saudável (por ambas as partes), haverá um retorno. Não a figura idealizada dos pais que as crianças têm na infância, nem à denegrida ao longo da adolescência, mas sim a uma visão mais real deles.

Essa passagem pode ser de grande aprendizagem também para os pais, – pois para o adolescente certamente será quando muitos erros serão apontados, muitos serão exagerados, muitos serão irreais, mas muitos serão verdadeiros. Que tal aproveitar a “independização” dos filhos para fazer uma revisão de valores, de crenças, de conduta? Esses, certamente, estarão sendo bastante questionados pelos filhos adolescentes. Fazer uma “mea culpa” quando necessário pode ser, inclusive, uma boa forma de aproximação e de aprendizado para ambas as partes e contribui na construção de um bom relacionamento entre elas para o resto da vida. 

Fonte: Outeiral J. Adolescer São Paulo: Livraria e Editora REVINTER Ltda. (2008)

 assinatura_leticia

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade