PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Pais também podem ter depressão pós-parto
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Pais também podem ter depressão pós-parto

Pais também podem ter depressão pós-parto

24/06/2015
  383   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

242408

A depressão pós-parto está sempre associada à figura da mãe, mas pode, por outros mecanismos afetar os pais.

É difícil enxergar a diferença que uma criança faz na sua vida e nos seus relacionamentos. Nenhum detalhe de suas vidas permanece intocado. Não são apenas as coisas óbvias como: não poder dormir quando você quer, não poder sair de casa sem um caminhão de coisas, não poder mais assistir a um jogo de bola, sem interrupções durante as melhores partes (por que será que os bebês nunca choram durante os comerciais?). Há também a roupa que se acumula, a máquina lotada de mamadeiras ou peças da bomba de leite, esterilizador e o perigo de lacerar o seu rosto tentando fazer a barba, segurando um bebê. Você tem que gastar mais dinheiro, mas também tem mais demandas em seu tempo.

Já as mulheres podem se sentir inseguras em relação ao parceiro, sobre como ele vai ver o seu corpo diferente. Outro sentimento frequente é o ciúme do pais em relação à afeição que a mãe mostra ao bebê.

Há agora um novo ser humano completo, que é extremamente importante para ambos, que, literalmente, redefine o significado da palavra amor.

Os médicos estão prestando mais atenção à depressão pós-parto das mães e pais. Embora seja normal para as mães se emocionar na semana após o nascimento, esses sintomas devem desaparecer muito rapidamente, normalmente no final do primeiro mês. Algumas mulheres, no entanto, não se recuperam e podem realmente sentir-se pior com o tempo. Cerca de 12% a20% das mulheres desenvolvem depressão ou ansiedade após um parto, e até 10% dos pais, também podem sofrer de depressão.

Depressão dos pais afeta as crianças profundamente, causando atrasos no desenvolvimento, problemas sociais e comportamentais. Pais deprimidos são muito mais propensos a bater em seus filhos do que os pais sem depressão e são menos propensos a brincar, cantar ou ler para seus filhos. Por outro lado, para as crianças cuja mãe está deprimida, ter um pai presente e carinhoso os protege de alguns dos efeitos negativos da depressão da mãe.

A ferramenta mais utilizada para rastrear as mães para depressão pós-parto é chamada de “Edinburgh Postnatal Depression Scale”. Recentemente os médicos e psicólogos começaram a usar o mesmo questionário para avaliar os pais.

Como podemos ver, as alterações que um bebê traz para as vidas dos casais podem ser fontes de grandes preocupações, mas como dizia o poeta Vinicius de Moraes:

“Filhos… Filhos?

Melhor não tê-los!

Mas se não os temos

Como sabê-lo? …”

Autor: Dr. José Luiz Setúbal.

Fonte David L. Hill, MD, FAAP Dad para Dad: Parenting Like a Pro (Copyright © Academia Americana de Pediatria 2012)

As informações contidas neste site não deve ser usado como um substituto para o atendimento médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o seu pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade