PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Remédio é coisa séria!
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Remédio é coisa séria!

Remédio é coisa séria!

15/08/2011
  568   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Se nos adultos a automedicação preocupa, nas crianças é ainda pior. Criança não pode ser considerada como um adulto pequeno!  Tem estrutura corporal e metabolismo distintos, o que a torna mais susceptível a apresentar determinadas reações a medicamentos. Assim, é necessário adaptar os medicamentos e doses utilizadas de modo apropriado na infância.

Nem sempre os remédios usados para tratar adultos podem ser usados em crianças. Uma questão delicada, tampouco divulgada, é o fato de que a maioria dos medicamentos não é testada em pacientes pediátricos, seja por uma questão de segurança ou pressa da indústria farmacêutica em colocar o produto no mercado. Por isso, em muitos casos, só se conhecem os efeitos adversos dos medicamentos na infância, após sua comercialização. Os pais devem estar atentos, procurar seguir as orientações do pediatra e informá-lo sempre sobre o aparecimento de algum sintoma sugestivo de reação adversa.

Além de provocar reações alérgicas que podem levar à morte, as drogas ainda interagem com os demais medicamentos, potencializando, anulando ou alterando a absorção do outro. No mês que vem, felizmente, passa a valer em nosso país novo regra da Anvisa sobre a venda controlada de antibióticos. Já presente nos EUA e na Europa, a norma vem em boa hora. O uso abusivo desse tipo de medicamento é alarmante na infância. Além do fato de mascarar a verdadeira doença, o emprego indiscriminado dos antibióticos torna os microorganismos mais resistentes, e quando for realmente necessário usá-los, não surtiram resultados.

Crianças menores de 5 anos representam cerca de 35% dos casos de intoxicação por medicamentos, segundo estimativas do Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas. Entre os sintomas apresentados nesses casos estão as alergias, com sintomas como: urticária, olhos e lábios inchados, erupções na pele, rinite, asma, queda da pressão, vômitos, diarréia até um choque anafilático que pode levar a óbito.

Estes casos ocorrem mais frequentemente com anti-inflamatórios e antibióticos. Ainda, os analgésicos e anti-inflamatórios, ministrados de maneira errada e abusiva, são responsáveis por problemas gástricos, hepáticos e de coagulação. Os descongestionantes também devem ser usados apenas com prescrição médica e devem ser evitados em bebes pequenos pois estão frequentemente associados à intoxicação com risco de arritmia cardíaca, convulsão e parada cardíaca. Os fitoterápicos também não são inofensivos. Se não bastasse automedicar crianças, outro erro é exagerar no dose. Para não correr riscos, siga as orientações fornecidas pelo médico, esclareça as dúvidas com o pediatra e evite usar a colher da cozinha, opte pelo medidor ou uma seringa dosadora, ambos com mais precisão.

Eu sei que nós queremos aliviar o mais breve possível o sofrimento das crianças, mas a maioria não sabe que até os antitérmicos exigem orientação.

Enviado por Fátima Rodrigues Fernandes

 

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • Toesa disse:

    Muitos remédios pediátricos possuem cheiro, cor e sabor feitos para atrair as crianças. É importante que os pais fiquem atentos e expliquem que remédio tem hora certa para tomar e não pode ser consumido em excesso.

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade