PESQUISAR

Tipos de suporte para ajudar pessoas com TEA
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Tipos de suporte para ajudar pessoas com TEA

Tipos de suporte para ajudar pessoas com TEA

24/04/2019
  193   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é uma desordem que acompanha o indivíduo ao longo da vida. Você não pode mudar o fato de que uma pessoa tem TEA. Mas o apoio pode melhorar significativamente a capacidade dessa pessoa para ser bem-sucedido em todas as áreas da sua vida. Esse suporte é chamado de intervenção. Intervenção intensiva e terapia podem ajudar uma pessoa.

Aprender novas habilidades

  • Mudar alguns comportamentos que interferem no seu funcionamento;
  • Intervir o mais cedo possível ajuda a maioria das pessoas, por isso o diagnóstico em crianças pequenas é importante;

Existem muitos programas e suportes disponíveis para pessoas diagnosticadas com TEA. Intervenções para TEA podem incluir:

  • Terapia ocupacional;
  • Terapia de fala e linguagem;
  • Treinamento para pais, famílias e cuidadores;
  • Terapia comportamental, como análise comportamental aplicada (ABA);
  • Educação e planejamento escolar na forma de um plano de educação individual (IEP).

Terapia ocupacional

Terapia ocupacional ajuda a ensinar habilidades de vida diária para pessoas com TEA. O desenvolvimento de habilidades motoras finas é importante para a capacidade de uma pessoa realizar tarefas diárias. Isso inclui o uso de suas mãos e dedos. A terapia ocupacional pode ajudar as pessoas a aprenderem como:

  • Vestir-se;
  • Comer por si;
  • Esteja ciente de seu corpo;
  • Melhorar o equilíbrio e a coordenação;
  • Melhorar suas habilidades acadêmicas, como escrever.

A terapia ocupacional também ensina as pessoas a lidar com os outros ou com novas situações. Um terapeuta ocupacional geralmente trabalha diretamente com uma pessoa em um programa personalizado.

Fonoaudiologia

Pessoas com TEA podem precisar de ajuda com habilidades de comunicação. Alguns são muito vocais, enquanto outros podem não falar nada. Conhecer muitas palavras não significa que alguém com ASD TEA possa se comunicar de uma maneira que seja facilmente compreendida. E saber apenas algumas palavras pode significar que alguém com TEA se comunica à sua maneira. Algumas pessoas com TEA são bem faladas quando falam sobre seu tema favorito. No entanto, eles podem não conseguir se comunicar efetivamente em outras áreas. Um fonoaudiólogo pode ajudar as pessoas a entender e usar palavras para:

  • Peça por ajuda;
  • Pergunte e responda questões;
  • Veja livros e conte histórias;
  • Começar, parar ou se revezar em uma conversa.

Um fonoaudiólogo também pode ajudar as pessoas a entender e usar gestos para se comunicar. Eles podem:

  • Trabalhar diretamente com a pessoa usando um programa personalizado;
  • Ensinar a família, cuidadores ou professores habilidades úteis;
  • Treinamento para pais, famílias e cuidadores.

Pais, familiares, cuidadores, professores e colegas podem receber treinamento para que possam ajudar uma pessoa com TEA. Muitas dessas habilidades são destinadas a ajudar os cuidadores:

  • Aprenda a lidar com comportamentos de autoagressão;
  • Aprenda a se comunicar com alguém que vive com TEA;
  • Reconhecer e lidar com situações que causam transtornos (gatilhos);
  • Aprender rotinas e comportamentos de apoio que trazem conforto e promovem o sucesso.

Terapia Comportamental

A terapia comportamental, especialmente a análise do comportamento aplicado (ABA), é frequentemente usada para ajudar pessoas com TEA. Isso pode ser feito em grupo ou por si mesmo com um terapeuta. Esta terapia tenta ajudar uma pessoa com TEA:

  • Reconhecer emoções;
  • Comunicar-se melhor;
  • Estar preparado para a escola ou o trabalho;
  • Aprender novos comportamentos positivos;
  • Aprender habilidades de vida cotidianas, como autocuidado;
  • Identificar o que os perturba (gatilhos);
  • Fazer planos para passar por situações sociais difíceis;
  • Parar com comportamentos negativos, como se machucar;
  • Educação e planejamento escolar.

Na escola, um plano pode ser feito para apoiar e estruturar o aprendizado de seu filho. Um comitê identifica as necessidades de alunos excepcionais. Quando identificaram essas necessidades, criam um plano com a ajuda do aluno e dos pais ou responsáveis. Isso é chamado de plano de educação individual (IEP).

O apoio na escola deve incluir abordagens comportamentais, sociais e acadêmicas. Uma equipe de profissionais geralmente reúne o plano com base nos pontos fortes e fracos da criança. Pode incluir soluções como:

  • Várias terapias;
  • Baixas taxas aluno-professor;
  • Oportunidades de interagir com os pares;
  • Suporte adicional;

TEA é gerido através de um forte sistema de intervenção e apoio que começa cedo e continua na vida adulta. Suportes adicionais são importantes durante os períodos de mudança durante o crescimento. Isso inclui:

  • Primeira infância;
  • Entrando no ensino fundamental e médio;
  • Tornando-se um adulto;
  • Conseguir um emprego;
  • Transição para morar sozinho ou com assistência.

As famílias precisam de apoio também. Cuidadores e membros da família podem encontrar apoio de programas do governo e da comunidade para coisas como:

  • Cuidados de repouso
  • Isto é planejado ou o atendimento de emergência é um alívio temporário para as famílias que cuidam de um membro da família
  • Ajuda financeira
  • Envolvimento da comunidade
  • Informação e apoio parentais

Se você conhece alguém com TEA, ofereça seu apoio aprendendo sobre a condição. Procure ajuda e conselhos de outras famílias que vivem com TEA. Dessa forma, você pode estar preparado para os possíveis desafios à frente. Você pode conversar com seu médico sobre grupos de apoio nos quais você mora.

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

jawsdigital

jawsdigital

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

NOSSAS INICIATIVAS
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade