PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Traumatismo Craniano Abusivo causa lesões ao longo da vida
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Traumatismo Craniano Abusivo causa lesões ao longo da vida

Traumatismo Craniano Abusivo causa lesões ao longo da vida

16/12/2014
  1641   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

traumatismo craniano

 

Quando ouvimos falar de violência doméstica e de abusos sobre crianças, pensamos sempre nas populações mais carentes e menos informada. Infelizmente isto não é a realidade. Tanto no Brasil, onde sou testemunha de casos semanais atendidos no Hospital Infantil Sabará (um hospital da rede de medicina suplementar que atende pacientes de classe média e alta da cidade de São Paulo) como nos EUA, Europa, Ásia etc como se pode ler nos jornais e ver no noticiário de TV quase que diariamente.

Milhares de crianças e bebês sofrem traumatismo craniano cada ano devido à agitação de bebês ou abuso físico devido à violência infantil. Muitas vítimas morrem, enquanto as outras crianças ficam deficientes para a vida. Em artigo da revista Pediatrics de dezembro de 2014 quantificou o grau dessas lesões pelo cálculo dos anos de vida perdidos por morte prematura, além dos anos de vida produtiva perdidos por sobreviventes devido à deficiência e menor qualidade de vida.

Para o estudo, ” Disability-Adjusted Life-Year Burden of Abusive Head Trauma at Ages 0–4″, os pesquisadores utilizaram dados de mortalidade para calcular que 334 crianças morreram em 2009 devido a traumatismo craniano abusivo.

Para avaliar o nível de deficiência entre os sobreviventes de traumatismo craniano abusivo, pesquisadores entrevistaram os cuidadores ou pediatras de 170 crianças feridas para aprender como as lesões afetaram o funcionamento neurológico das crianças. Os pesquisadores descobriram traumatismo craniano abusivo deixou 57 por cento das crianças cegas ou parcialmente cegas, com outro que exige 5 por cento cirurgia ocular. Gravidade dos ferimentos foi leve em 15,9 por cento dos casos; moderada em 13,5 por cento dos casos, e grave em 70,6 por cento dos casos. Vinte e três por cento das crianças necessário um tubo de alimentação. Usando uma fórmula para explicar perdido a esperança de vida e os anos vividos com incapacidade, os autores do estudo concluem que, em 2009, a carga de traumatismo craniano abusivo em os EUA era 69.925 anos de vida ajustados por incapacidade.

Os autores do estudo concluem que o traumatismo craniano abusivo é debilitante. Mais da metade dos sobreviventes gravemente feridos morrerão antes de 21 anos de idade, e aqueles que sobrevivem a uma lesão grave têm uma redução de 55 por cento na saúde relacionados com qualidade de vida. Mesmo uma lesão abusiva traumatismo craniano leve provoca deficiência que excede a de uma queimadura grave.

Como se vê, a realidade colocada em números é muito dura.

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Article Pediatrics dec -2014

Disability-Adjusted Life-Year Burden of Abusive Head Trauma at Ages 0–4

 

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para a atenção médica e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

 

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade