PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Traumatismo dentário – Parte 2
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Traumatismo dentário – Parte 2

Traumatismo dentário – Parte 2

15/10/2014
  816   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

New tooth

No mês passado conversamos com os amigos do Blog Saúde Infantil sobre uma condição bastante desagradável no consultório: o traumatismo nos dentes decíduos ou de leite (Traumatismo dentário – Parte 1). É uma situação bem complicada porque acontece em crianças pequenas e não dá muito para explicar para elas o que aconteceu. A criança chora, a mãe ou o pai ficam atônitos e às vezes bate o desespero, mas por mais que seja um acidente chato, digamos que ainda há uma salvação: o dente permanente vai vir logo, ou não tão logo, mas vai vir.

O complicado mesmo é quando acontece esse mesmo acidente com crianças maiores, pré-adolescentes, adolescentes e adultos. Está bem que a intervenção é mais fácil, em caso da criança estar mais desenvolvida, e é possível manter a calma e correr para o dentista o mais rápido possível. Até por isso, se acontecer em um final de semana, em um feriado ou até mesmo de noitão, tenha sempre o telefone do seu dentista ali na agenda do celular e é para ele que você tem que ligar urgentemente. Pare de querer correr para o pronto-socorro do hospital, exceto se o hospital tiver um dentista de plantão naquele momento, até chegar um pode ser tarde. Ou pior, você pode cair na mão de um atendente que vai te mandar voltar pra casa e mandar tomar uma dipirona ou um anti-inflamatório.

Não é bem assim. Alguns casos de traumatismos dentários precisam de atendimento emergencial, principalmente se houver avulsão total do dente (o dente sai inteiro – coroa e raiz – da boca). Esse dente precisa ser recolocado imediatamente em posição, a essa manobra denominamos REIMPLANTE, e não tem nada a ver com implantes dentários, que são outra coisa.

Então vamos lá: quais são as consequências de um traumatismo em dentes permanentes? Primeiro, podem acontecer tanto em dentes anteriores como nos posteriores. Sim, até os molares podem sofrer traumatismos, é bem raro, mas acontece. O comum mesmo são nos dentes anteriores superiores, e a idade do paciente pode ser relevante para o sucesso do tratamento.

Se a criança estiver em idade escolar (seis e oito anos) ou na pré-adolescência (entre nove e doze anos) o dente traumatizado pode ainda não estar completamente formado e o tratamento pode não ser completado, até que o dente complete sua formação. Acontece assim, quando um dente irrompe na boca a raiz ainda não está completa, se o traumatismo acontecer nessa época e existir necessidade de um tratamento de canal, por exemplo, o paciente vai precisar um bocado de paciência para finalizar o tratamento. Se for um traumatismo simples não há muito com que se preocupar.

O traumatismo pode atingir as estruturas mais duras do dente, esmalte e dentina, se isso ocorrer, se houver fratura e se for possível recuperar o pedaço de dente fraturado, leve ao seu dentista, pode ser útil. Em algumas situações, a colagem dos fragmentos pode deixar o dente quase que perfeito.

Se atingir a polpa (nervo) não vai ter como escapar do tratamento de canal. E existem casos que mesmo não havendo exposição da polpa, pode haver necessidade de tratar o canal porque houve rompimento dos feixes vasculares e nervosos que estão lá na pontinha da raiz, o ápice dentário.

Até aí o tratamento está sendo feito a contento, são soluções rápidas e corriqueiras de um consultório dentário, mas se houver avulsão total, vai ser necessário, como disse acima, um reimplante. E algumas regrinhas podem ser essenciais para o sucesso do reimplante. Vamos lá:

  • Se você estiver preparado, pegue o dente pela coroa e não pela raiz, lave-o em água corrente e recoloque-o imediatamente na posição. Correta, por favor, já vi gente que se apressou e inverteu a posição.
  • Você não está com coragem de recolocar o dente, pode ser assustador para alguns. Coloque o dente avulsionado em um copo de leite ou no soro fisiológico. Se não tiver, coloque em um copo de água mesmo.
  • Não acha o dente que caiu, deixou para o outro dia, esqueça. O sucesso será praticamente nulo.
  • Em todos os casos, vá ao dentista imediatamente, o sucesso do tratamento está diretamente relacionado ao tempo que o dente ficou fora da boca, quanto mais tempo fora, mais improvável o sucesso.
  • E o que é o sucesso em um reimplante? É manter o dente o maior tempo na boca da criança, isso pode durar meses ou anos, mas provavelmente vai haver a necessidade de um tratamento de canal e em um futuro não determinado a colocação de um implante de titânio.

O sucesso do reimplante não é duradouro, mas ainda assim não se deve desesperar por isso. Soluções estéticas são bem acessíveis e realmente ficam boas. E claro, traumatismos na região da face podem ser mais severos e causar transtornos permanentes para qualquer um. No mais é torcer para isso nunca acontecer com nossos filhotes.

 

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade