PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Uma mensagem especial para novos pais
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Uma mensagem especial para novos pais

Uma mensagem especial para novos pais

05/09/2012
  773   
  2
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

A parceria entre os casais nos cuidados com o bebê trazem bem-estar tanto pra eles quanto para as crianças
 pais-e-o-cuidado-com-o-bebêChegar com um filhinho da maternidade pode ser um pouco assustador e trabalhoso para boa parte dos pais, mas logo eles descobrirão como também é gratificante.

Assim como as mães, os pais têm necessidade de reajustar as suas prioridades. Com a chegada dos filhos, eles têm agora uma oportunidade de ouro para mostrar mais do seu lado carinhoso, para cuidar da mãe, do bebê, e possivelmente, de outros irmãozinhos da criança.

Embora nem todos os pais tenham a opção de licença à paternidade, aqueles que a possuem, podem tirar proveito dela. Se a mãe era o centro do universo, uma vez que o recém-nascido chega em casa, as coisas mudam. Ao ajustar suas prioridades (em casa e no trabalho) o pai pode fortalecer um vínculo forte com a mãe e também com o bebê.

Ao trabalhar como uma equipe, os casais podem se surpreender com o quão bem eles podem se adaptar às novas circunstâncias estressantes.

Claro, equilibrar as exigências aparentemente constantes do bebê, as necessidades das outras crianças (se existirem) e as tarefas domésticas, nem sempre é fácil.

O sono, a alimentação, a troca de fraldas e o choro do bebê podem rapidamente causar fadiga nos pais. Porém, ao trabalharem como parceiros, a fim de aliviarem um ao outro, em um revezamento, como por exemplo, enquanto um dorme, faz exercícios físicos ou descansa, o outro cuida do bebê, os casais podem compartilhar um “tempo de qualidade”. Mas, apesar disso, juntos, eles podem realmente se sentir mais perto do que nunca.

Às vezes, pode haver conflitos e sentimentos de ciúme. Estes são normais e felizmente, temporários. A vida, após um breve momento, entra numa nova rotina e voltará a dar aos casais algum tempo para si mesmo, a vida sexual é restaurada e as atividades sociais voltam ao normal. Enquanto isso, faça um esforço para que vocês dois passem algum tempo juntos a cada dia, desfrutando da companhia um do outro, enquanto o bebê está dormindo ou alguém está cuidando dele. Lembre-se: vocês têm o direito abraçar e beijar um ao outro, assim como o bebê.

Uma forma positiva para que os homens lidem com estas questões é tentar se envolver o máximo possível, ao cuidar e brincar com o bebê. Quando você passar este tempo extra com seu filho, vai ficar tão emocionalmente envolvido com ele, assim como a mãe da criança também ficará.

Isso não quer dizer que as mães e os pais brinquem da mesma maneira com os bebês. Em geral, os homens agem para despertar e estimular as crianças, enquanto que as mulheres se concentram em estimulações mais suaves, tais como, ao balançar calmamente a criança, ao usar jogos interativos, ao cantar e ao fazer atividades relaxantes.

Do ponto de vista do bebê, os dois estilos de brincar são igualmente valiosos e se complementam maravilhosamente um ao outro, esta é outra razão pela qual é tão importante ter ambos envolvidos no cuidado do bebê.

Por Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Caring for Your Baby and Young Child: Birth to Age 5 (Copyright © 2009 American Academy of Pediatrics)

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade