PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Pais millennials e seus filhos: motivos para preocupação?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Pais millennials e seus filhos: motivos para preocupação?

Pais millennials e seus filhos: motivos para preocupação?

15/06/2022
  636   
  1
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Os millennials são a mais nova geração de pais. Eles tendem a ser muito conectados, se conhecem por meio de namoro on-line, trabalham pela internet e são pais jovens com experiência digital, capazes de compartilhar suas alegrias e jornadas de gravidez com milhares de pessoas por meio de um mero clique.

Pela primeira vez, quase uma geração inteira de pais de classe média (ou não) está tecnologicamente apta a se conectar. Seus filhos, por sua vez, são a primeira geração a nascer ‘nativos digitais’: uma geração que não consegue mais imaginar um mundo sem internet.

Esse é o conflito existente entre essa geração e as anteriores e que foi colocado no livro “Geração Inviável” (em uma tradução livre), uma análise aprofundada dos complexos dilemas que crianças e jovens alemães enfrentam ao crescerem dependentes da digitalização.

Com foco na geração Alpha (pessoas nascidas após 2010), o livro é de autoria de Rüdiger Maas, um psicólogo, filósofo e pesquisador de gerações. Em 2012, ele fundou o Institute for Generation Research em Augsburg, na Alemanha, onde educadores da primeira infância, professores e pais foram questionados sobre as mudanças que testemunharam nas crianças nos últimos 10 anos, principalmente em relação ao consumo de mídia. No livro, ele explora as mudanças no desenvolvimento social, emocional, cognitivo e motor e a influência mútua dos pais Millennials.

 

Qual o veredito que ele chega?

Essas crianças são mais deprimidas e ansiosas do que qualquer geração anterior. Oprimidos com opções, informações e tecnologia, eles são visivelmente superprotegidos e mais difíceis de inspirar. A palavra “inviável” no título suscita a questão de saber se, sem seus smartphones, as crianças nascidas após 2010 seriam capazes de se orientar no mundo e de que forma poderiam ser mais lentas, mais inseguras. A pesquisa inclui dados do primeiro ano da pandemia de covid-19, observando a aceleração de muitas mudanças que já estavam em andamento, como taxas mais altas de depressão, anormalidades sociais e motoras e vício em internet.

Muitos temas deste livro foram observados por educadores e profissionais de assistência social e de saúde durante os últimos anos: as gerações mais jovens acham difícil imaginar, não conseguem se concentrar por muito tempo e são cada vez mais incapazes de descobrir as coisas por conta própria. Da mesma forma, disseca as tendências de pais superprotetores, como elogiar excessivamente os filhos enquanto retém qualquer forma de crítica. Com os pais intervindo para resolver conflitos de seus filhos e a internet fornecendo infinitas respostas para as dúvidas cotidianas, há uma grande lacuna de desenvolvimento nas habilidades de resolução de problemas das crianças.

O autor comenta que crianças que crescem superprotegidas apresentam tendências semelhantes àquelas que crescem desprotegidas. Trabalhando em um grupo residencial de adolescentes, testemunho jovens com contratempos semelhantes quando se trata de criatividade e lógica.

Como o livro descreve, ouvir rádio ou assistir TV eram formas passivas de interação com a mídia. Agora que os momentos cotidianos podem ser instantaneamente postados ou transmitidos on-line para que outros comentem, curtam, compartilhem e recriem, a interação com a mídia tornou-se tão ativa que os pesquisadores relatam uma nova gama de dilemas no comportamento de crianças e adolescentes. Quando o contato social é realizado principalmente pelas mídias sociais, por exemplo, as crianças correm o risco de não desenvolverem sentidos empáticos. Elas podem desenvolver o vício da sensação de feedback positivo e rolagem interminável por vídeos curtos e estimulantes.

Rüdiger Maas discute a ideia de difusão de responsabilidade, descrevendo indivíduos que se sentem menos responsáveis ​​por suas ações quando fazem parte de um grupo, como tendências virais, cyber-mobbing ou videogames. Os usuários são mantidos em um ciclo de insegurança, com picos constantes de dopamina.

O autor ainda descreve que a interação on-line se torna um componente integral da autoimagem, confiança e construção de identidade. Altas taxas de incongruência emocional podem ser observadas em gerações mais jovens, cujas vidas foram documentadas virtualmente por seus pais. Eles podem ver apenas momentos positivos nas fotos, sem experimentar os sentimentos positivos. As crianças de hoje são solicitadas a repetir ações até que sejam perfeitamente capturadas – momentos posados ​​que podem criar memórias distorcidas. Para outros, o excesso de documentação descarrega e afeta a capacidade de lembrar.

Como solução para amenizar esses problemas, o Rüdiger Maas pede aos pais e profissionais que reflitam sobre seu próprio uso de tecnologias na frente dos jovens. Também sugere que os adultos se esforcem para ensinar às crianças sem smartphones, por meio de práticas analógicas, como aprender com livros e explicar dispositivos mnemônicos. “Aprender a verificar a qualidade das informações disponíveis e reconhecer fontes confiáveis ​​tornou-se particularmente crucial”, explica Maas com exemplos da pandemia. Além dos padrões morais, a educação ética continua sendo particularmente importante em meio à inteligência artificial, coleta de dados e comunicação.

“Geração Inviável” pretende ser um alerta para os pais modernos e oferece insights sobre nuances e conexões benéficas para os profissionais de saúde e sociais. À medida que nos esforçamos para ensinar hábitos que complementam o uso digital, não podemos esquecer de liderar com o nosso próprio comportamento.

 

Fonte:

  • The Lancet Child & Adolescent health

REFLECTIONS|BOOK| VOLUME 6, ISSUE 6, P363, JUNE 01, 2022

Generation Alpha: online, dependent, and depressed

Mary Vlasuk

 

Saiba mais:

 

 

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.