PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Uma triste notícia para a infância brasileira
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Uma triste notícia para a infância brasileira

Uma triste notícia para a infância brasileira

18/05/2018
  548   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Após 20 anos de queda consistente, os números mostrados pelo Observatório da Criança e do Adolescente, mantido pela Fundação Abrinq mostra que os números de mortalidade infantil e de mortes por causas evitáveis cresceu em 2016, segundo notícia publicada no jornal Valor Econômico no dia 14 de maio. Uma outra situação onde houve piora, foi a desnutrição, o percentual de crianças menores de 5 anos em desnutrição (medida pela baixa estatura para a idade) aumentou de 12,6% para 13,1% de 2016 para 2017, de acordo com dados do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional, também reunidos pela Fundação Abrinq

A taxa de mortalidade infantil é calculada pelo número de mortos até um ano a cada mil nascidos vivos. Monitora-se ainda a taxa que se chama de mortalidade na infância, que considera o número de crianças de até 5 anos mortas a cada mil nascidos vivos.

O número de mortes infantis, no geral, em 2016 caiu, mas a velocidade de queda diminuiu. O preocupante é que as mortes após 28 dias de nascido e até 4 anos aumentam, isso mostra que na parte neonatal, mais influenciada pela tecnologia, a evolução continua, no entanto, as faixas que são mais vulneráveis à piora da pobreza, continuam altas. Algumas são muito associadas à pobreza, por exemplo, as gastrointestinais (diarreia), que vinham reduzindo fortemente, mas tem repique em 2016.

Especialistas consultados pelo Valor avaliam que a piora dos indicadores ligados à sobrevivência e ao cuidado com a primeira infância, como a desnutrição, foram afetados de maneira significativa pelo encolhimento de programas especializados em assistência à saúde da mãe e ao aleitamento materno. Levantamento feito pela Fundação Abrinq aponta que alguns programas tiveram corte nos investimentos em 2016. Alguns exemplos citados na reportagem:

1- Rede Cegonha, voltado à atenção à mãe no pré-natal, parto e nascimento, e o desenvolvimento da criança até os dois primeiros anos de vida.

2- Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), em que o governo federal repassa aos Estados recursos para garantir a alimentação na escola para alunos de todas as fases da educação pública

Os dados do Observatório ainda não estão totalmente consolidados e analisados, mas já dá para visualizar uma piora e que isso já alertou o Ministério da Saúde. O problema se dá de forma geral em todo o país e mostra o quanto é arrasador uma crise econômico-financeira como a que estamos vivendo há alguns anos. Certamente doenças como a Zika, Dengue, Chikungunya e Febre Amarela devem ter seu papel, mas é mais uma evidência do pouco caso que nossas autoridades dão para a Saúde. Em outubro teremos eleições para diversos níveis de representação, que na hora de escolhermos nossos candidatados e representantes na Assembleia, na Câmara e no Senado reflitamos sobre o que eles realmente vão fazer para nosso Estado e para nosso País.

Veja os números publicados nos gráficos abaixo:

dr_setubal_Uma_triste_notícia_para_a_infância_brasileira_18_05_2018_01

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte:

  1. http://www.valor.com.br/brasil/5521863/crise-estanca-queda-de-mortes-na-infancia
  2. Fundação Abrinq: http://doe.fadc.org.br/
  3. https://observatoriocrianca.org.br/

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade