PESQUISAR

Residência Médica
Residência Médica
Vacinas: poderosa arma contra as doenças
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Vacinas: poderosa arma contra as doenças

Vacinas: poderosa arma contra as doenças

26/02/2020
  359   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

As vacinas previnem doenças e a não vacinação acarreta um risco. No ano passado, a Organização Mundial da Saúde classificou a hesitação de se vacinar, uma “relutância ou recusa em vacinar apesar da disponibilidade de vacinas”, entre as 10 principais ameaças à saúde em todo o mundo, ao lado de Ebola, HIV e infecções resistentes a medicamentos.

Para um médico pediatra como eu, isso parece uma loucura. Passei a minha vida profissional orientando pais a vacinarem seus filhos e explicando o risco de contraírem a doença versus o risco de vacinar. Para ser franco, não ser vacinado pode resultar em doença ou morte. As vacinas, por outro lado, são extremamente improváveis ​​de terem efeitos colaterais, mesmo os menores, como desmaios.

À medida que as taxas de vacinação caem, as doenças altamente contagiosas como o sarampo ressurgiram globalmente. Por exemplo, o sarampo agora está disseminado em vários países europeus. Em Samoa, uma pequena nação insular do Pacífico com cerca de 200.000 habitantes, quase 5.700 casos de sarampo foram registrados desde setembro, resultando em pelo menos 83 mortes. Quase todos os que morreram eram crianças pequenas. Essas mortes não deveriam ocorrer, porque são evitáveis.

No Brasil e em vários países do mundo, a hesitação da vacina está contribuindo para três ameaças à saúde pública: o retorno do sarampo, mortes por influenza e futuros casos desnecessários de câncer do colo do útero.

Alguns legisladores e líderes religiosos questionam a segurança das vacinas, apesar das evidências científicas provarem o contrário. Nos EUA, um esforço em dezembro para aprovar um projeto de lei que acabaria com as isenções religiosas e exigia que os alunos matriculados em qualquer escola ou faculdade, pública ou privada no estado fossem vacinados, não obteve votos suficientes. Muitas vezes, os céticos não apreciam os perigos muito maiores das doenças que as vacinas previnem.

Nós acumulamos e avaliamos dados das principais revistas médicas, a edição mais recente do trabalho de referência Vacinas de Plotkin e os Centros de Controle e Prevenção de Doenças para comparar os riscos de adoecer com sarampo, gripe ou câncer cervical com as chances mínimas de sofrer efeitos colaterais das vacinas correspondentes.

Riscos do sarampo: pneumonia, infecção, morte

Nos Estados Unidos como no Brasil e quase toda a América foi eliminado o sarampo em 2000, mas em 2019 o número de casos aumentou muito, principalmente, devido à resistência do público em receber a vacina sarampo-caxumba-rubéola. Destaque para a baixa cobertura vacinal principalmente na região Norte, que faz divisa com a Venezuela.

Quando a doença foi importada do exterior e espalhada por todo o país, crianças não vacinadas (e alguns adultos) ficaram doentes. Os surtos foram concentrados em estados como Pará e Amazonas, mas logo chegou em São Paulo e agora ameaça todo o Sudeste. Na realidade, os riscos de efeitos colaterais da vacinação contra sarampo, caxumba e rubéola são muito pequenos, especialmente se comparados aos efeitos devastadores da doença.

O vírus do sarampo é altamente contagioso, geralmente é a primeira infecção infantil a retornar após o declínio das vacinas e é grave. A epidemia de sarampo 2018-2019 na cidade de Nova York resultou em 52 hospitalizações, incluindo 16 internações em uma unidade de terapia intensiva (não houve mortes). Cerca de 95% dos doentes estavam vacinados, incompletamente vacinados ou não conheciam o status de vacinação.

Além disso, novas pesquisas revelam que, mesmo quando os pacientes se recuperam, o vírus do sarampo pode suprimir o sistema imunológico, tornando as crianças suscetíveis a infecções graves como pneumonia e gripe.

No período de 01/09/2019 a 23/11/2019 (SE 36-47), foram notificados 30.612 casos suspeitos de sarampo, destes, 3.565 (11,6%) foram confirmados, 18.530 (60,5%) estão em investigação e 8.517 (27,8%) foram descartados. Os casos confirmados nesse período representam 26,4% do total de casos confirmados no ano de 2019.

Por que isso acontece em vários países? A partir do final dos anos 90, alguns pais recusaram as vacinas contra sarampo, caxumba e rubéola para seus filhos, por temores de que as vacinas possam causar autismo, um princípio central do lobby anti-vacinas.

Essa desinformação se espalhou após um artigo que implica uma ligação entre as vacinas contra o sarampo e o autismo publicado no The Lancet em 1998 e retirado em 2010 devido a preocupações com a validade dos resultados e a condução do estudo. No entanto, a falsa alegação de que as vacinas causam autismo continuou a circular na internet e nas mídias sociais.

A verdade é que temos evidências esmagadoras de pelo menos seis estudos envolvendo mais de um milhão de crianças de que as vacinas contra sarampo, caxumba e rubéola não causam autismo. Os cientistas também estão aprendendo sobre as causas genéticas do autismo e identificaram mais de 100 genes ligados ao distúrbio. Eu sou pai de uma filha adulta com autismo.

A gripe pode matar: vacina é a melhor forma de prevenção

A epidemia de gripe 2017-18 nos EUA foi especialmente ruim, resultando em uma estimativa de 45 milhões de doenças em todo o país, segundo o CDC. Estima-se que 810.000 pessoas foram hospitalizadas e 61.000 pessoas morreram, incluindo 643 crianças. A maioria das crianças que morrem de gripe não recebeu a vacina contra a gripe.

Embora a gripe esteja entre as principais causas de morte dos americanos, muitos optam por não vacinar, acreditando que a vacina é perigosa ou pode até causar gripe.  Na verdade, a vacina contra a gripe não pode causar a gripe porque contém apenas inativos ou, no caso de vacinas com spray nasal, vírus enfraquecidos ou é feita com proteínas de um vírus da gripe.

O risco de uma reação grave da vacina contra a gripe, como a síndrome de Guillain-Barré (uma condição autoimune do sistema nervoso periférico que pode causar formigamento, fraqueza nos membros ou paralisia) é pequeno, aproximadamente igual à probabilidade de ser atingido por um raio. Além disso, a própria gripe pode causar a síndrome de Guillain-Barré.

HPV: baixa cobertura vacinal preocupa

Para evitar a expansão do vírus no país, desde 2014, o Ministério da Saúde disponibiliza a vacina contra o HPV no SUS. No SUS, a vacina é disponibilizada para meninas com idade entre 9 e 14 anos, meninos de 11 a 14 anos; pessoas que portadoras de AIDS, e também aquelas transplantadas na faixa etária de 9 a 26 anos.

A Austrália está posicionada para eliminar efetivamente o câncer do colo do útero nas próximas duas décadas, por meio de uma campanha de vacinação e aumento do rastreamento do colo do útero. O Brasil nem sequer está perto desse objetivo, porque as taxas de vacinação contra o HPV, ou papilomavírus humano, entre adolescentes, foram baixas em muitos estados, em comparação com outras vacinas comuns. Os motivos dessa baixa taxa de vacinação incluem custo e falta de acesso, especialmente nas áreas rurais.

A vacina contra o HPV também foi alvo de uma campanha de desinformação, com livros e publicações na Internet afirmando que a vacina causa depressão e suicídio na adolescência. Mas não há evidências de tais links. O risco real? Menos de 1 em cada 10.000 pessoas vacinadas, principalmente adolescentes, desmaiarão, talvez relacionadas ao medo da injeção. Também existe o risco de reação alérgica, como acontece com a maioria das vacinas, mas, novamente: isso não é mais provável do que ser atingido por um raio.

Os conservadores sociais também afirmam que a vacina incentiva a promiscuidade sexual, mas as evidências não apoiam isso.  Milhares de mulheres jovens neste país estão sendo condenadas ao câncer do colo do útero (e homens e mulheres ao câncer de garganta, anal e outros) por serem privados da vacina contra o HPV, que é altamente eficaz e segura.

Dois anos após o início da vacinação contra o HPV no Sistema Único de Saúde (SUS) para meninos e adolescentes de 11 a 14 anos, só 22% deles receberam duas doses e estão imunizados por completo. A meta do Ministério da Saúde era vacinar 80% do público. As piores taxas estão nos estados do Pará (14%) e Rio de Janeiro (16%), e as melhores, no Paraná (29,7%) e em Minas Gerais (28,8%). No Rio Grande do Sul, a taxa é de 21,3%. Segundo o ministério, mais de 9,2 milhões de meninos e adolescentes ainda precisam ser vacinados em todo o país. A baixa adesão à vacinação também é verificada entre as meninas de 9 a 14 anos (cobertura de 51%),

Como pediatra eu me encontro regularmente com outros pediatras, enfermeiras e pais preocupados. Os pais querem fazer o melhor para seus filhos, mas muitas vezes eles se tornam vítimas de campanhas de desinformação anti-vacinas.

Os profissionais médicos precisam encontrar uma maneira de combater o império da mídia anti-vacina, montando uma vigorosa resposta de defesa pró-vacina que reconstrói a confiança do público. Na minha experiência, depois de explicar como as vacinas salvam vidas com um risco mínimo, é possível superar os medos e apreensões que os pais têm sobre as vacinas.

Fontes: Com base em informações publicamente disponíveis dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças e de outras agências federais, com informações da Plotkin’s Vaccines, 7ª Edição, e mais de uma dúzia de estudos publicados em revistas especializadas identificadas no banco de dados PubMed do National Center for Biotechnology Information. Esses estudos envolvem aproximadamente 1 milhão de seres humanos. Outras fontes: Dr. Daniel A. Salmon e Dr. Matthew Z. Dudley, Escola de Saúde Pública da Universidade Johns Hopkins, Bloomberg; “A segurança das vacinas contra a gripe em crianças: White Paper do Instituto de Segurança de Vacinas ”, Centro Nacional de Informações sobre Biotecnologia, Institutos Nacionais de Saúde; Organização Mundial da Saúde; Conselho Nacional de Segurança (mortes por raios); Doenças Infecciosas Clínicas (Síndrome de Guillain-Barré e influenza); ReliefWeb (figuras de Samoa)

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

NOSSAS INICIATIVAS
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade