PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Operar a garganta e seus riscos
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Operar a garganta e seus riscos

Operar a garganta e seus riscos

18/03/2014
  4918   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Na minha geração, quase todas as crianças sofreram cirurgia de amígdalas. Hoje, apesar de ter diminuído muito o número, graças ao uso de antibióticos, ainda é um procedimento bem comum. No Hospital Sabará, fizemos em 2013 cerca 140 amigdalectomias.

Mais de meio milhão de amigdalectomias são realizadas todos os anos em crianças nos EUA, tornando o procedimento a segunda razão mais comum para o atendimento em hospitais infantis.

Um estudo publicado na revista Pediatrics em fevereiro de 2014 mostra a qualidade do atendimento de crianças depois de uma cirurgia e como as crianças são propensas a voltar para o hospital para problemas como sangramento, vômitos e desidratação após a cirurgia – variando significativamente entre os hospitais.

O estudo “Variation in Quality of Tonsillectomy Perioperative Care and Revisit Rates in Children’s Hospitals” acompanhou uma série de crianças de baixo risco submetidas no mesmo dia a amigdalectomia em 36 hospitais pediátricos entre 2004 e 2010.

Os pesquisadores avaliaram a qualidade do atendimento com base em hospitais que seguem diretrizes atuais e recomendam que a dexametasona (um corticosteróide utilizado para reduzir náuseas, vômitos e dor) seja prescrito no dia da cirurgia, e não antibióticos. Eles também acompanharam quantos pacientes retornaram ao hospital para problemas dentro de 30 dias da cirurgia.

Das quase 140.000 crianças, 8% tiveram um retorno ao hospital dentro de 30 dias, mais comumente por causa de sangramento, vômito e desidratação. Em alguns hospitais, no entanto, a taxa de nova visita era de 3%, em comparação com 12,6% em outros hospitais. As crianças mais velhas, entre 10 e 18 anos de idade, estavam em maior risco de voltar para o hospital devido a hemorragia, e em menor risco de vômitos e desidratação, em comparação com crianças com idades entre 1 a 2 anos.

Os autores do estudo concluem que uma variação substancial existe na qualidade do atendimento para amigdalectomia de rotina em hospitais infantis dos Estados Unidos. Os dados devem ser úteis para os esforços de melhoria da qualidade das amigdalectomias dos hospitais, de acordo com os autores do estudo.

Aqui no Hospital Infantil Sabará não costumamos usar estes procedimentos e nossa taxa de complicações é muito menor, talvez explicado por uso de técnicas diferentes no Brasil e nos EUA. De qualquer maneira, vale a pena conversar com seu médico caso seu filho seja operado e perguntar das possíveis complicações.

Leia também: Child Life Specialist: Como preparar uma criança que passará por uma cirurgia

Fonte: “Variation in Quality of Tonsillectomy Perioperative Care and Revisit Rates in Children’s Hospitals”

Atualizado em 5 de junho de 2024

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

(CRM-SP 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, com especialização na Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduação em Gestão na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás, David e Benjamim.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.