PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Temos que falar das crianças com autismo
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Temos que falar das crianças com autismo

Temos que falar das crianças com autismo

03/04/2023
  1626   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Dia 2 de abril é o Dia Mundial da Conscientização sobre o Autismo. Cada vez mais ouvimos falar de pessoas com essa condição. Gente anônima e famosa. Será então que a incidência está aumentando? Apesar de muita controvérsia sobre as estatísticas, alguns trabalhos científicos apontam que uma a cada 30 ou 40 crianças pode nascer com o transtorno do espectro autista (TEA). Já a OMS estima algo menos recorrente: um a cada cem nascimentos. O número que ninguém nega é o dos diagnósticos de autismo crescendo exponencialmente nas últimas décadas.

A explicação para isso ocorre basicamente devido a mudança ocorrida no manual de classificação de desordens mentais, o DSM. O DSM-5 é a última versão, lançada em 2013. Na versão anterior, o autismo era subdividido em cinco categorias clínicas, o que dificultava e atrasava o fechamento de um diagnóstico preciso. A diretriz atual normatizou as características globais do transtorno, deixando os critérios mais homogêneos, facilitando a identificação.

Outra novidade foi a inclusão de síndromes, como a de asperger, no rol do autismo. E os sintomas, que antes eram diagnosticados separadamente, agora formam um contínuo único de déficits – de leve a severos – como nos domínios de comunicação, comportamentos restritos e repetitivos. Portanto, não há justificativa para diagnosticá-los de modo desassociado, como acontecia até então.

Com isso, a divulgação das características típicas foi aumentando gradualmente o conhecimento das condições, que antes eram do conhecimento apenas dos profissionais da saúde. Sem falar da disseminação de informações nas redes sociais. E aqui fica um alerta: muito cuidado com as fontes da informação, pois há muita gente sem qualificação (ou lugar de fala, no caso dos autistas youtubers e tiktokers que eu assisto e aplaudo, diga-se) dando palpites sem base científica, ou glamourizando a condição, com exemplos como o de Elon Musk e Greta Thunberg.

Aventureiros à parte, esse conjunto de fatores vem facilitando a suspeita e o consequente diagnóstico em crianças e adultos. Ressalto, infelizmente, que é muito difícil chegar rápido a uma uma criança com conclusão. Normalmente é um processo longo e doloroso para toda a família, por não existir um único exame que confirme definitivamente a condição. A palavra final vem normalmente após um conjunto de avaliações profissionais.

Entretanto, podemos estar mais perto de uma solução prática. Desde 2015, quando passei a atuar junto à ONG Autismo e Realidade, temos nos dedicado a gerar conhecimento sobre o tema. Estamos desenvolvendo pesquisas em parceria com o Ministério da Saúde para o diagnóstico precoce do autismo. Está em fase de testes um modelo simplificado da metodologia atual de detecção (ABA) a ser adotado pelo SUS e, em conjunto à F1PE, um cálculo do custo de uma cesta básica de tratamentos para a família da criança autista. Também foi lançada recentemente uma cartilha atualizada, que está disponível no site da instituição.

Neste mês de conscientização, é importante que pais, cuidadores, professores e profissionais da saúde entendam que o diagnóstico precoce do TEA é importante para melhorar a adaptação da criança ao seu entorno. Quanto mais cedo se identificar, mais tranquilo será o contato com as pessoas ao redor, menor o sofrimento e maiores as chances de conquistar uma vida plena no futuro.

Semanalmente fico sabendo de casos graves de crianças que não têm acesso a um tratamento integrativo. Normalmente filhos de famílias das classes média e baixa, que são ajudadas por igrejas, associações e ONGs parte de sociedade civil organizada tentando suprir a falta que faz um sistema público que enxergue os autistas. Urge pressionar e conscientizar nossos governantes para que tenhamos unidades de saúde mental, escolas e serviço social bem equipados, com profissionais preparados para o atendimento das crianças com TEA e suas famílias.

 

Publicado originalmente em:

https://oglobo.globo.com/blogs/receita-de-medico/post/2023/04/temos-que-falar-das-criancas-com-autismo.ghtml

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

(CRM-SP 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, com especialização na Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduação em Gestão na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás, David e Benjamim.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.