PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Transtorno do Espectro Autista em Crianças
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Transtorno do Espectro Autista em Crianças

Transtorno do Espectro Autista em Crianças

07/04/2023
  699   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Dia 2 de abril se comemora o Dia Mundial da Conscientização do Autismo. O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é uma deficiência de desenvolvimento, que pode afetar as habilidades sociais, a comunicação e o comportamento de uma criança. Como a maioria das crianças no espectro se senta, engatinha e anda na hora certa, os pais podem não notar atrasos nas habilidades sociais e de comunicação logo no primeiro ano de vida. Essa é uma das dificuldades do TEA.

Quais são os primeiros sinais do TEA?

Crianças autistas e suas famílias podem ser saudáveis ​​e resilientes, mas mais pesquisas são necessárias para entender o curso do desenvolvimento de crianças diagnosticadas no espectro. No entanto, estudos recentes mostram que muitas crianças com diagnóstico de TEA são saudáveis ​​e passam bem no meio da infância.

Há uma certa polêmica quanto a incidência do TEA. Cerca de 1 em cada 36 crianças americanas (2,8%) são diagnosticadas aos 8 anos de idade, de acordo com dados de 2020 da Rede de Monitoramento de Deficiências de Autismo e Desenvolvimento dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos. Já a Organização Mundial da Saúde (OMS) trabalha com um número bem menor, uma em cada 160 crianças.

Uma verdade em qualquer lugar é que os meninos são diagnosticados no espectro quase quatro vezes mais frequentemente do que as meninas. Ainda assim, pela primeira vez, os diagnósticos de TEA relatados entre meninas de 8 anos ultrapassaram 1%. Também relatado pela primeira vez, a porcentagem de crianças de 8 anos nos EUA, negras (2,9%), hispânicas (3,2%) e asiáticas ou das ilhas do Pacífico (3,3%) identificadas no espectro do autismo foi maior do que entre crianças brancas de 8 anos (2,4%).

Outra coisa que se observa globalmente é que, no geral, o número de crianças relatadas como pertencentes ao espectro aumentou desde o início dos anos 1990. O aumento pode ser causado por muitos fatores, como:

  1. Muitas famílias tornaram-se mais conscientes do TEA;
  2. Os pediatras começaram a fazer mais exames para o TEA, conforme recomendado. As crianças são identificadas mais cedo, o que é bom;
  3. As escolas tornaram-se mais conscientes do TEA e as crianças começaram a receber serviços de educação especial mais apropriados;
  4. Houve mudanças em como o TEA é definido e diagnosticado, deixando de ser uma doença e passando a ser um espectro de condições.

As crianças no espectro do autismo não têm uma causa ou razão comum para terem a condição. Muitos fatores podem levar a um diagnóstico de TEA e os cientistas continuam a aprender mais sobre o que causa o transtorno. Atualmente, sabemos que:

– Famílias não causam TEA;
– As vacinas não causam TEA;
– O histórico médico da família pode desempenhar um papel. Para uma criança diagnosticada com TEA, a chance de um irmão também ser diagnosticado é 10 a 20 vezes maior do que para a população em geral;
– A maioria das crianças no espectro não tem uma condição médica ou genética específica que explique o porquê. No entanto, o autismo pode ocorrer com mais frequência em crianças com certas condições médicas como síndrome do X frágil, esclerose tuberosa, síndrome de Down ou outros distúrbios genéticos. Bebês nascidos prematuros são outro grupo de alto risco;
– Os fatores ambientais que podem contribuir para o autismo também são uma importante área de pesquisa; estes ainda não são bem compreendidos.

Em 2013, os critérios diagnósticos para o TEA mudaram. Isso foi baseado na literatura de pesquisa e na experiência clínica nas duas décadas desde que o DSM-IV foi publicado em 1994. Agora, crianças com características mais sutis estão sendo identificadas no espectro do autismo. Várias condições costumavam ser consideradas no DSM (Transtorno autista, Transtorno invasivo do desenvolvimento – não especificado de outra forma, Síndrome de Asperger, Transtorno desintegrativo da infância). Com a publicação da quinta edição do DSM em 2013, os termos listados acima não são mais usados ​​e essas condições agora são agrupadas na categoria mais ampla de Transtorno do Espectro Autista.

Cada criança autista tem necessidades diferentes. Quanto mais cedo o transtorno for identificado, mais cedo um programa de intervenção precoce direcionado aos sintomas da criança poderá começar. A pesquisa mostra que iniciar um programa de intervenção o mais rápido possível pode melhorar os resultados para muitas crianças.

Além disso, as crianças no espectro do autismo podem ter outros problemas médicos que precisam de avaliação e tratamento adicionais: condições comumente coexistentes, chamadas comorbidades, podem incluir convulsões, problemas de sono, problemas gastrointestinais (problemas de alimentação, dor abdominal, constipação, diarreia) e problemas comportamentais de saúde, como ansiedade, TDAH, irritabilidade e agressividade. Algumas dessas condições médicas podem colocar as crianças no espectro do autismo em risco aumentado de doenças mais graves e complicações de infecções como a covid-19.

A Fundação José Luiz Egydio Setúbal, desde 2015, absorveu a ONG Autismo e Realidade e passou a ser responsável por todo material produzido até então e assumiu a bandeira da inclusão das pessoas com necessidades específicas e, mais especialmente, o autismo. Desenvolvemos pesquisas, trabalhos científicos em parceria com o Ministério da Saúde para diagnóstico precoce no SUS, estudamos uma adaptação da metodologia ABA simplificada para ser adotada na rede pública, estamos desenvolvendo com a FIPE o custo de uma cesta para famílias que têm crianças autistas e desenvolvemos apostilas e disponibilizamos no site para que possam ser baixadas gratuitamente. Enfim, fazemos bastante coisa em pró das crianças e famílias que possuem pessoas com autismo. Esperamos que nossos governantes se sensibilizem com o tema e providenciem locais para atendimento e diagnóstico.

Fonte:

Academia Americana de Pediatria (Copyright @ 2023)

https://www.paho.org/pt/topicos/transtorno-do-espectro-autista

Saiba mais:

https://autismoerealidade.org.br/

https://autismoerealidade.org.br/convivendo-com-o-tea/cartilhas/cartilha-dsm-5-e-o-diagnostico-de-tea/

https://www.youtube.com/playlist?list=PLdctaWFAO0WPm8w4ErnTPOiUJ4fgdYf0b

https://www.youtube.com/watch?v=thFgcnvBTKk&t=226s

https://www.youtube.com/watch?v=7iN6h7SxDXg&t=25s

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

(CRM-SP 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, com especialização na Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduação em Gestão na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás, David e Benjamim.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.