PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Volta presencial às aulas
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Volta presencial às aulas

Volta presencial às aulas

01/02/2021
  1255   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Academia Americana de Pediatria atualiza as orientações sobre segurança escolar em meio à pandemia

Assim como no Brasil, a discussão sobre as aulas presenciais tem ocorrido em várias partes do mundo. A Academia Americana de Pediatria (AAP) atualizou em janeiro suas orientações sobre a segurança escolar com base nas pesquisas mais recentes, para o retorno seguro às aulas após os feriados de final de ano. Vale a pena dar uma lida, está disponível, em inglês, neste link: https://www.aappublications.org/news/2021/01/05/covid-school-safety-010521

Novas informações sobre as taxas de transmissão ajudam a informar os especialistas sobre as melhores práticas para instrução presencial e virtual.

No documento atualizado, o AAP descreve uma série de protocolos de segurança que as comunidades precisam abordar para permitir que as aulas presenciais sejam retomadas. Essas medidas incluem o controle da disseminação do Covid-19 na comunidade, a implementação de camadas de proteção para funcionários e alunos nas escolas e a coordenação estreita com especialistas em saúde locais e estaduais. Com essas medidas em vigor, a AAP reafirmou sua recomendação de que o objetivo deve ser a presença física dos alunos na escola.

“Novas informações nos dizem que a abertura de escolas não aumenta significativamente a transmissão do vírus pela comunidade, no entanto, é fundamental que as escolas sigam de perto as orientações fornecidas pelas autoridades de saúde pública”, diz Dr. Lee Beers, presidente da AAP.

As crianças precisam absolutamente retornar à aprendizagem na escola para seu desenvolvimento saudável e bem-estar e, portanto, a segurança nas escolas e na comunidade deve ser prioridade. Sabemos que há crianças realmente sofrendo sem o apoio de experiências presenciais em sala de aula ou de tecnologia adequada em casa. Precisamos de governos nos níveis municipal, estadual e federal para priorizar o financiamento das acomodações de segurança necessárias – como melhorar os sistemas de ventilação e fornecer equipamentos de proteção individual para professores e funcionários.

As crianças mais novas parecem ter menos probabilidade de transmitir o vírus em uma sala de aula ou em um ambiente de creche, e geralmente apresentam um quadro mais leve ou moderado da doença. Isso sugere que a instrução presencial para as séries primárias e elementares é apropriada, com acomodações de segurança adequadas, que são detalhadas na orientação fornecida pela AAP e pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) nos EUA.

Embora as novas vacinas ofereçam esperança de um retorno ao “novo normal”, as escolas devem continuar a adotar uma abordagem em várias camadas para proteger os alunos e funcionários. Muitos já estão tomando precauções e é importante não baixar a guarda para proteger a nós mesmos e aos outros.

AAP também aconselha:
• Usar a ciência e os dados para orientar as decisões sobre a pandemia e os planos escolares contra a Covid-19;
• Abordagens de mitigação em toda a comunidade para que as escolas sejam abertas e permaneçam abertas. Os recursos de teste Covid-19 adequados e oportunos devem estar acessíveis;
• A transmissão escolar reflete, mas não impulsiona a transmissão da comunidade;
• Máscaras de tecido nas escolas são fortemente recomendados para adultos e todos os alunos com mais de 2 anos;
• As políticas escolares contra Covid-19 devem ser práticas, viáveis e apropriadas para o estágio de desenvolvimento de crianças e adolescentes e abordar a segurança do professor e da equipe;
• Devem ser feitas considerações e adaptações especiais para levar em conta a diversidade da juventude, especialmente para aqueles que são clinicamente frágeis ou complexos, têm desafios de desenvolvimento ou têm deficiências;
• As escolas devem colaborar com a saúde pública estadual e local para garantir que os professores e funcionários tenham acesso à vacina Covid-19, conforme recomendado pelo Comitê Consultivo em Práticas de Imunização (ACIP) e pelo CDC;
• Os pediatras devem trabalhar com as famílias, escolas e saúde pública para promover o recebimento da vacina contra Covid-19 assim que ela for disponibilizada para crianças e adolescentes;
• As políticas escolares também devem procurar criar ambientes de trabalho seguros para educadores e funcionários. Este enfoque na saúde geral e no bem-estar inclui atender às necessidades de saúde mental e comportamental de alunos e funcionários;
• A AAP enfatiza que o financiamento federal, estadual e municipal deve ser fornecido para todas as escolas para que possam fornecer todas as medidas de segurança exigidas para alunos e funcionários.

Nenhuma ação ou plano isolado eliminará o risco de propagação do vírus em uma escola, mas vimos como máscaras faciais, distanciamento físico e outras medidas quando combinadas podem diminuir significativamente os riscos.
Trabalhando juntos, podemos superar esta pandemia. Nossos filhos estão contando conosco.

O Sabará Hospital Infantil juntamente com outras organizações tem um projeto de assessoria e aconselhamento para instituições de ensino, o “Sabará nas Escolas”, em que ajudamos as escolas a se preparem para uma volta às aulas segura e tranquila.

Saiba mais sobre o assunto:
https://services.aap.org/en/pages/2019-novel-coronavirus-covid-19-infections/clinical-guidance/covid-19-planning-considerations-return-to-in-person-education-in-schools/
https://institutopensi.org.br/volta-as-aulas-como-orientar-as-escolas/
https://institutopensi.org.br/blog-saude-infantil/coronavirus-lidando-com-o-fechamento-das-escolas/
https://www.saudebusiness.com/mercado/telemedicina-como-aliada-na-volta-s-aulas-presenciais

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade