PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Estrabismo infantil, Olhos cruzados ou vesgos?
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Estrabismo infantil, Olhos cruzados ou vesgos?

Estrabismo infantil, Olhos cruzados ou vesgos?

31/10/2018
  20199   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Durante as primeiras duas a quatro semanas de vida, a visão não é precisa o suficiente para que os olhos do bebê encontrem um alvo a maior parte do tempo.

Estrabismo infantil, olhos cruzados ou vesgos. Os pais costumam notar que os olhos de seus recém-nascidos parecem se cruzar o olhar de vez em quando. Nos primeiros seis meses de vida, isso pode ser normal. Para começar, olhar para algo que o cérebro tem que saber para onde apontar os olhos. 

Os pais muitas vezes sentem que seus recém-nascidos estão passando por eles e não por eles, porque são. Na quarta semana de vida, no entanto, seu bebê se concentrará em seu rosto se você o estiver embalando.

A maior parte do desenvolvimento visual ocorre no cérebro, não nos próprios olhos. Um dos maiores desafios para o cérebro em desenvolvimento é coordenar os sinais visuais de um lado para o outro.

Os sinais nervosos dos olhos viajam através dos nervos ópticos e se dividem em ambos os lados do cérebro. Para entender esses sinais, os dois lados do cérebro precisam cooperar, comparando informações e coordenando o movimento dos olhos na direção desejada.

Até os dois meses de idade, você pode notar que seu bebê seguirá seu rosto ou um brinquedo um pouco, e então o perderá ao cruzar de um lado para o outro. Por dois meses, no entanto, ele deve ser capaz de rastrear da direita para a esquerda e vice-versa.

O próximo grande marco visual ocorre aos seis meses de idade. A essa altura, os dois lados do cérebro estão em boas relações um com o outro.

Até este ponto, os olhos acompanham enquanto ambos têm algo para olhar, mas se alguém é privado de entrada (por estar coberto por um chapéu, por exemplo), ele pode se desviar em sua própria direção.

Aos seis meses de idade, os olhos devem continuar olhando na mesma direção, mesmo que um deles seja coberto temporariamente. Nós testamos isso na clínica cobrindo um olho por três segundos, e então descobrindo de repente e olhando para ver se ele ainda está rastreando com o olho oposto. Chamam esse teste de teste de cobertura.

Às vezes, a forma do rosto de uma criança faz parecer que os olhos estão cruzados mesmo quando não estão. Uma criança com uma ponte nasal larga pode parecer ter um olho voltado para dentro, quando na verdade ele está apenas olhando para o lado. Você pode verificar isso observando a luz refletida nos olhos do seu filho de uma janela ou lâmpada; se cai no mesmo lugar em cada olho, os olhos estão trabalhando juntos.

Mesmo com a triagem em consultório pediátrico, no entanto, nem sempre percebemos um olho que tende a se desviar. Os desvios ocorrem com maior frequência quando a criança está cansada. Se você perceber que sua criança de 6 meses ou mais tem um olho que nem sempre tem a mesma aparência do parceiro, avise o médico.

É fundamental que um oftalmologista examine a criança. O que algumas pessoas chamam de olho preguiçoso (ambliopia) pode ser um sinal de que um olho não enxerga tão claramente quanto o outro. Somente um profissional poderá diagnosticar o estrabismo infantil, olhos cruzados ou vesgos. 

Quando o cérebro é forçado a fazer uma imagem a partir de duas entradas muito diferentes, começa a ignorar os sinais do pior olho. Com o tempo, esse processo se torna irreversível, levando à cegueira parcial no olho mais fraco.

Na maioria dos casos, você deve resolver o problema antes que a criança complete 3 anos para garantir que ele cresça com a percepção normal de profundidade.

Os tratamentos para a ambliopia variam com base na causa e gravidade da condição. Algumas crianças exigem óculos ou adesivos que forçam o cérebro a prestar atenção aos sinais do olho mais fraco. Outras crianças precisam de cirurgia para encurtar ou alongar certos músculos que controlam o movimento dos olhos.

Saiba mais sobre isso no blog do Hospital Infantil Sabará:

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: Academia Americana de Pediatria (Copyright © 2016)

Os olhos do seu filho (Copyright © 2011 Academia Americana de Pediatria, Atualizado em 05/2016)

Adaptado do texto de  David L. Hill, MD, FAAP

Pai para pai: Parenting Like a Pro (Copyright © Academia Americana de Pediatria 2012)

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade