11 2155-9358
Institucional Blog Pesquisas CEP FJLES Cursos
Data inicial
Estágio Hospitais Boletins Releases Parcerias
Ícone Data Final
Busca rápida
Busca avançada
Institucional Voluntariado Parcerias Releases Boletins
Data inicial
Núcleos Cursos Estágios Hospitais Blog
Ícone Data final
Busca rápida
Busca avançada

Essa atitude pode soar como proposital, mas trata-se de uma das maneiras que a criança se expressa

birras infantis

Aos olhos do adulto, as birras infantis têm cara de tempestade em copo d’água. Afinal, alguém grita porque não apertou o botão do elevador, se joga no chão porque não quer calçar o sapato ou se recusa a comer porque não gostou do prato que foi colocado à mesa. Parece muito barulho por pouco. Contudo, para as crianças, este “pouco” pode significar muito.

Por volta dos dois anos, período em que as birras são mais intensas e frequentes, a criança apresenta habilidades que lhe permite ser mais autônoma e independente – não apenas em suas ações, mas também em seus desejos, vontades e expectativas. No entanto, a maturidade necessária para ela expor o que sente e, em contrapartida, compreender o que é permitido e possível, ainda não foi alcançada.

Sem conseguir verbalizar (ou se fazer entender) o que vivência, deseja e espera, a criança encontra nos comportamentos birrentos uma maneira de expressar o que ainda não consegue fazer por meio da palavra.

Se os pais ou cuidadores embarcam na birra infantil, dificilmente a situação terá um final bem-sucedido. Nestes momentos, a criança precisa de alguém que reconheça e nomeie o que ela está tentando comunicar. Dizer coisas como “não faça isto”, “que comportamento mais feio”, “menina bonita não se comporta assim”, não minimiza a situação; ao contrário, deixa a criança mais irritada, já que ela ainda não é compreendida.

Para que a criança possa se expressar com mais clareza, é fundamental que ela se sinta acolhida. Sair do ambiente onde a birra acontece ou pegá-la no colo são estratégias de contenção que, normalmente, acalmam-na, permitindo, com isto, o diálogo.

Em algumas situações, há quem recomende desviar a atenção da criança birrenta ou ignorar a birra. Embora estas intervenções por vezes funcionem, a palavra não circula para ajudar a criança na compreensão do que ela sente, quer e é permitido ou possível. Ao invés destas ações, pode-se dizer: “entendi que você quer que eu vá brincar com você, mas agora estou almoçando” ou “tudo bem você ficar brava porque quer comer chocolate antes de almoçar, mas se comer o chocolate, não terá fome para comer sua comida”.

A criança precisa de alguém que fale com ela para que, desde pequenininha, aprenda a se expressar por meio das palavras e não apenas pelo corpo.

Por Patrícia Leekninh Paione Grinfeld – Psicóloga

Autora no site: Ninguém Cresce Sozinho

Avatar
Instituto Pensi
O Instituto Pensi é o braço de ensino, pesquisa e projetos sociais da Fundação José Luiz Egydio Setúbal enquanto o Hospital Infantil Sabará é seu braço de assistência médica.

Postagens Relacionadas