PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
A esgrima para crianças
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
A esgrima para crianças

A esgrima para crianças

31/10/2013
  6524   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Crianças adoram brincar de super-heróis e princesas. Essas brincadeiras sempre envolvem lutas, vilões, príncipes, vitórias e derrotas. Pensando nessas brincadeiras e vendo meus filhos brincarem também, me veio à mente um esporte muito diferenciado e lindo que é a esgrima.

Originalmente, a esgrima era utilizada para sobrevivência e também para a caça. Com a evolução da tecnologia e também das armas, ela passou a ser um esporte competitivo extremamente belo. No Brasil, a esgrima começou no período imperial, pois, enquanto o país era colônia, além de não haver a presença de mestre d’armas, também não existia interesse dos colonizadores na prática do esporte. O primeiro curso de esgrima foi criado em 1909, na Escola de Educação Física da Força Pública de São Paulo. O Brasil participou pela primeira vez das Olimpíadas, nos Jogos Olímpicos de Berlim, em 1936, e nunca mais deixou de participar de competições internacionais.

É um esporte maravilhoso, onde a postura, o equilíbrio e a determinação são os principais aliados. Sua prática promove ganhos nas mais diversas áreas do desenvolvimento infantil. Estimula o reflexo, proporcionando agilidade em movimentos e tomadas de decisões, fazendo com que o atleta faça tudo em tempos muito curtos. Aumenta a acuidade auditiva, capacidade de concentração, coordenação motora, resistência muscular e equilíbrio. Desenvolve a flexibilidade e a criatividade. É um excelente exercício que estimula a autoestima da criança. Contribui para o crescimento saudável, tanto físico como intelectual. Sua prática é extremamente recomendada para crianças que possuem algum tipo de déficit de atenção.

Na prática da esgrima, os atletas usam máscara de proteção, luvas de couro (que reveste a mão e o antebraço) e colete. São utilizados três equipamentos: espada, sabre e florete. Cada um deles possui características diferentes dentro de um combate. Por exemplo: quando o equipamento utilizado é o florete, o atleta ganha ponto ao tocar a região do tronco do adversário. Quando a espada é utilizada, qualquer parte do corpo atingida é ponto. Já o sabre, serve para atingir a cintura ou acima desta. O combate tem início quando os competidores estão a uma distância de dois metros um do outro e termina quando um deles dá cinco toques no adversário ou quando termina o tempo regulamentar do combate, que é de quatro minutos. 

É praticada em um corredor de 14 metros de comprimento por 1,80 de largura. Ele é delimitado por linhas que, se ultrapassadas, causam ponto para o adversário (no caso da retaguarda) ou penalização (no caso de o competidor colocar os dois pés para fora da linha lateral).

Em São Paulo, pode ser praticada nos seguintes locais:

Sala São Jorge de Esgrima;

Club Athletico Paulistano;

Esporte Clube Pinheiros;

Circulo Militar de São Paulo;

Academia Paulista de Esgrima;

Escola de Esgrima Abel Melián

Henrique Tavian Pereira Marques pratica a esgrima desde os 9 anos de idade, no clube Pinheiros. Segundo ele, um dia, passeando pelo clube, viu uma competição e se apaixonou pelo esporte. “Troquei a espadinha de brinquedo e as varetas de madeira pela espada de verdade”, ele afirmou. Para Henrique, que possui 90 medalhas e já participou de mais de 100 competições nacionais e internacionais ao longo desses anos de prática da modalidade, o esporte exige empenho. Demorou dois anos para conseguir vencer um único atleta e essa competitividade o ajudou a ser mais persistente nas coisas. Ele treina 4x por semana, entre três e quatro horas por dia, mas já chegou a treinar 5x por semana.

Hoje, com 17 anos, primeiro do ranking na categoria juvenil, e dono de títulos de campeão brasileiro e sul americano e vice-campeão panamericano, Henrique sonha com as Olimpíadas de 2020. Tem em seus planos estudar nos EUA para poder conciliar treinos e estudos. O que começou como uma simples “brincadeira de espadas”, tornou-se uma opção e uma paixão pelo esporte, aumentando sua organização interna (principalmente em relação aos estudos) e a liderança de equipe.

Para os pequenos, Henrique deixa um recado: “a esgrima é um esporte e por si só já vale a pena sua prática, mas experimentem deixar de lado as espadas de brinquedos e lutar com espadas de verdade… Impossível não se apaixonar”.

Leia também: Atletismo para as crianças

Por Maria Helena S. Castro, psicomotricista, atua com crianças que têm dificuldade neuromotora

Atualizado em 20 de maio de 2024

Comunicação PENSI

Comunicação PENSI

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade

    Cadastre-se na nossa newsletter

    Cadastre-se abaixo para receber nossas comunicações. Você pode se descadastrar a qualquer momento.

    Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade de Instituto PENSI.