PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
Aleitamento Materno – Uma Unanimidade
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
Aleitamento Materno – Uma Unanimidade

Aleitamento Materno – Uma Unanimidade

01/08/2021
  229   
  1
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

Poucas coisas em medicina apresentam tantas evidências científicas sobre o seu benefício como o aleitamento materno. Mamar no peito por tempo adequado, tem efeitos sobre o crescimento, desenvolvimento, capacidade de resposta a infecções e no relacionamento familiar. Previne, defende, ataca. Tem composição adequada a cada idade e a cada fase da criança. Tem a capacidade de gerar vínculos afetivos especiais entre a mãe e o bebê, que podem ser complementados pelo apoio efetivo do companheiro ou companheira.

No entanto, as taxas de aleitamento são muito diferentes em vários lugares do mundo, assim como as medidas de apoio ao período da amamentação. Vários países ou empresas determinam licenças maternidade com períodos diferentes, de 3 a 6 meses, incluindo ou não parceiros (ou parceiras).

Em um recente artigo científico, publicado no dia 15 de julho de 2021, na revista Breastfeeding Magazine, de autoria de Christine Borger e seu grupo, de Maryland, nos Estados Unidos, verificou-se que o sucesso no aleitamento depende de vários fatores, nem sempre relacionados ao instintivo ou ao desejo materno. Os autores determinaram que, se houver vontade de amamentar ainda antes do nascimento, isto pode ser um aspecto preditivo positivo para maior tempo e sucesso no aleitamento prolongado até pelo menos um ano. Após o nascimento, o fator de maior associação com o sucesso ou maior tempo de aleitamento, foi ter havido algum tipo de orientação ou prescrição pediátrica.

Este aspecto nos deixa extremamente satisfeitos. Isto mostra e reconhece a importância das consultas precoces, do papel do pediatra no acompanhamento, orientação e apoio a família, principalmente na amamentação. Se por um lado o ato de amamentar é natural, instintivo e universal a todos os mamíferos, a mãe precisa de ajuda na avaliação do peito, da mama, do mamilo, orientação para os problemas básicos que o amamentar pode trazer. Da quantidade e qualidade do leite, horários, posição e análise do crescimento e desenvolvimento. O profissional pode tirar dúvidas.  A puericultura ou o controle da criança normal é a ferramenta primordial do pediatra, com uma adequada história, exame clínico, análise do crescimento e do desenvolvimento do bebê, permitindo um período tranquilo para o sucesso da amamentação.

Não há dúvidas que o leite materno é o melhor alimento para a criança. Mesmo após o período de introdução de novos alimentos, a amamentação deve ser continuada e mantida pelo maior tempo possível, enquanto for adequado para a dupla mãe-criança.

Em agosto, a Sociedade Brasileira de Pediatria promove uma campanha de conscientização que explica exatamente a importância do aleitamento materno. O Instituo PENSI, que tem como objetivo produzir e disseminar conhecimento em Saúde Infantil, incorporada na missão da Fundação José Luiz Egydio Setúbal (JLES) e respeitando seus valores, apoia essa causa.

Dr. Mauro Fisberg

Dr. Mauro Fisberg

Nutrólogo, pediatra e coordenador do Núcleo de Nutrologia e Metabolismo do Instituto PENSI.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mensagem enviada

  • Luciana Soares de Oliveira disse:

    Bom dia
    Sou fonoaudiologa no hospital Regional de Registro
    Estamos organizando nosso Agosto Dourado . Todas orientações de vocês serão muito bem vindas.
    Grata

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade