PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
A criança que morde
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
A criança que morde

A criança que morde

28/12/2015
  775   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

bite

Noutro dia conversando com minha filha sobre meus netos, ela mencionou um problema comum nas escolas e berçários: a mordida.

Não há pediatra ou mesmo pais que não entrem em contato com este fato, pois é muito comum e podemos dizer até que seja normal.

Para entender um pouco melhor este assunto precisamos ir até as observações de Freud sobre o desenvolvimento psicossexual dos seres humanos. Freud descreve este desenvolvimento em 5 fases: Oral, Anal, Fálica, Latência e Genital.

A primeira fase ou a fase oral, iria do nascimento até os 18 meses ou dois anos, e compreende esta época na qual ocorrem as mordidas. A fase anal é a época em que as crianças estão retirando a fralda, e a fálica ao momento em que os pais ficam preocupados, pois seus filhos estarão manipulando seus órgãos genitais. A latência vai dos seis anos até início da puberdade e a genital após o início da puberdade. São fases do desenvolvimento descrito por Freud e a elas correspondem os locais do corpo onde naquele momento haverá algum tipo de prazer.

Por este enfoque, os bebês teriam na primeira fase de suas vidas o prazer na região oral, ou seja, na boca que mama o seio e com a qual se relaciona com o mundo. É a fase de que tudo vai para a boca; brinquedos, chupetas, mamadeiras, sujeira, objetos em geral. Por volta do primeiro ano começam a sair os dentes e a criança descobre o morder. Ela morde tudo e é o modo com que se comunica com o mundo ao seu redor já que a linguagem ainda não está desenvolvida.

As mordidas podem vir porque há contrariedade com alguma coisa, mas pode ser por excitação, alegria ou raiva. Pode até ser por condicionamento a um hábito aprendido. Muitos pais ou adultos gostam de morder levemente as crianças como um ato de amor, demonstração de quando aquela criança é “fofinha” para morder.

Conforme a criança cresce, adquire uma linguagem mais complexa e começa a dizer “não” ou se comunicar de forma mais eficiente para demonstrar o que está sentindo ou querendo. Neste momento as mordidas desaparecem.

O importante nestas situações é ter paciência, pois o fato é constrangedor para todos. Para os pais da criança que morde, para os pais da criança mordida e para as professoras, cuidadoras e para escola ou local onde ocorreu a mordida. Embora possamos achar normal e que seja uma fase, é importante que se tome alguma atitude educacional a fim de mostrar para aquela criança que aquilo está errado. Orientar aos pais acalmando-os (geralmente as coisas ficam tensas) e explicando o que está sendo feito e o que devem fazer quando as crianças tiverem esta atitude em casa.

Na realidade estes atos vão se rareando e praticamente desaparecem após o terceiro ano de vida. Crianças que têm atitudes repetitivas de mordidas ou de atos mais agressivos devem ser observadas mais de perto e eventualmente serem referidas para o pediatra ou para avaliação psicológica.

Autor: Dr. José Luiz Setúbal.

As informações contidas neste site não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra. Pode haver variações no tratamento que o pediatra pode recomendar com base em fatos e circunstâncias individuais.

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade