PESQUISAR

Sobre o Centro de Pesquisa
Sobre o Centro de Pesquisa
Residência Médica
Residência Médica
AAP aconselha os pais contra o uso de Clínicas Baseada em Varejo
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp
AAP aconselha os pais contra o uso de Clínicas Baseada em Varejo

AAP aconselha os pais contra o uso de Clínicas Baseada em Varejo

07/04/2014
  337   
  0
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Google Plus Compartilhar pelo WhatsApp

hospital-corridor

Com o final do Verão e início do Outono e Inverno, aumenta a procura por Prontos Atendimentos dos Hospitais, principalmente nas alas de pediatria. No Hospital Infantil Sabará, o movimento de abril e maio ultrapassa 12 mil crianças por mês, o dobro de janeiro e fevereiro. As filas de espera são inevitáveis já que a estrutura física do Hospital não pode mudar. Em um interessante artigo da revista Pediátrics eles orientam os pais sobre o uso de Pronto Atendimento.

 

As famílias podem decidir usar um Pronto Atendimento (PA), porque eles acreditam que é conveniente e mais barato, mas de acordo com a Academia Americana de Pediatria (AAP), os PA’s não fornecem às crianças qualidade no atendimento nem concedem os cuidados preventivos.

 

Em uma declaração política atualizada publicada no Pediatrics de março 2014, a AAP enfatiza que os PA são uma fonte inadequada da atenção primária para as crianças, porque eles fragmentam os cuidados de saúde com as crianças e devem ser utilizados apenas para emergência e grandes urgências.

 

Com a falta de pediatras e a vida atribulada da modernidade, os pais e mães dão preferências para os PA, pois lá fazem as consultas, se necessários os exames e pegam as receitas, tudo numa única saída do trabalho. Realmente é tentador, mas se pensarmos no bem estar das crianças e nas melhores práticas de saúde, isto está errado. A AAP reconhece que a conveniência e acesso a cuidados continuarão a ser de extrema importância. Muitos PA em São Paulo utilizam médicos sem formação em pediatria, para piorar a situação.

 

Pediatras são especificamente treinados em questões de saúde infantil. Eles sabem a história da saúde de cada criança, e estão mais bem equipados para cuidar de ambos os problemas simples e complicados de forma abrangente dentro do hospital. Como os pacientes jovens e seus problemas de saúde se tornam mais complexos, surge a possibilidade de que mesmo uma simples queixa possa estar relacionada a uma doença mais grave, que poderia ser ignorada por alguém que é menos familiarizado com o paciente, de acordo com a AAP.

 

Enquanto a AAP acredita que o ambulatório (consultório) médico é o padrão ideal de atendimento para pacientes pediátricos, e não recomenda que os pais utilizem os Pa, entende-se que os serviços dessas clínicas podem ser utilizados para cuidados agudos ou fora do horário. Se os pais optam por usar um PA para a doença de seus filhos, eles devem perguntar se a clínica tem uma relação formal com o seu pediatra, se a clínica irá se comunicar com o pediatra sobre a visita, e qual é o protocolo para o acompanhamento caso o problema não seja resolvido ou a clínica do pediatra esteja fora do horário de funcionamento. Os pais devem utilizar Pronto Atendimentos que tenham uma relação formal com o pediatra do seu filho. No Hospital Infantil Sabará, só 15% dos pais ou responsáveis dão os nomes dos pediatras.

 

Nós vemos o problema como uma falha do atendimento médico brasileiro, pois as pessoas preferem resolver tudo no PA e não fazem as visitas de rotina, não existe uma prática preventiva de doenças, e mesmo pacientes com doenças crônicas, como a asma, preferem acompanhar nos PA, em vez de ter um pediatra com quem possa tirar as dúvidas e ir tateando a melhor opção terapêutica. Quando estiver na sala de espera durante o pico sazonal, pense a respeito disto.

 

Autor: Dr. José Luiz Setúbal

Fonte: “AAP Principles Concerning Retail-Based Clinics”

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal

Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

deixe uma mensagem O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

posts relacionados

INICIATIVAS DA FUNDAÇÃO JOSÉ LUIZ EGYDIO SETÚBAL
Sabará Hospital Infantil
Pensi Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil
Autismo e Realidade